domingo, 30 de setembro de 2007

Michelangelo Buonarroti's David

Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni (Caprese, March 6th, 1475 - Rome, February 18th, 1564) was an Italian Renaissance painter, sculptor, architect, poet and engineer. His versatility in the disciplines he took up was of such a high order that he is often considered a contender for the title of the archetypal Renaissance man.

His David, sculpted from 1501 to 1504, is one of Michelangelo's two greatest works of sculpture, along with the Pietà.
It is the David alone that almost certainly holds the title of the most recognizable statue in the history of art. It has become regarded as a symbol both of strength and youthful human beauty.

The 5.17 m (17 ft) marble statue portrays the Biblical King David at the moment that he decides to do battle with Goliath. It came to symbolise the Florentine Republic. This interpretation was also encouraged by the original setting of the sculpture outside the Palazzo della Signoria, the seat of civic government in Florence.
The completed sculpture was unveiled on September 8th, 1504.
To protect it from damage, the sculpture was moved in 1873 to the Accademia Gallery, and a replica was placed on the Piazza della Signoria in 1910.


Fundamental to Michelangelo's art is his love of male beauty, which attracted him both aesthetically and emotionally. In part, this was an expression of the Renaissance idealization of masculinity, but in Michelangelo's art there is clearly a sensual response to this aesthetic. Such feelings caused him great anguish, and he expressed the struggle between Platonic ideals and carnal desire in his sculpture, drawing and his poetry too, for Michelangelo was also a great lyric poet.
The sculptor's expressions of love have been characterized as both Neoplatonic and openly homoerotic; recent scholarship seeks an interpretation which respects both readings.
One example of the conundrum is the story of the sixteen year old Cecchino dei Bracci, whose death, only a year after their meeting in 1543, inspired the writing of forty eight funeral epigrams, which allude to a relationship that was not only romantic but physical as well:

La carne terra, e qui l'ossa mia, prive
de' lor begli occhi, e del leggiadro aspetto
fan fede a quel ch'i' fu grazia nel letto,
che abbracciava, e' n che l'anima vive.

The flesh now earth, and here my bones,
Bereft of handsome eyes, and jaunty air,
Still loyal are to him I joyed in bed,
Whom I embraced, in whom my soul lives.

The greatest written expression of his love was given to Tommaso dei Cavalieri, who was 23 years old when Michelangelo met him in 1532. Cavalieri was open to the older man's affection: "I swear to return your love. Never have I loved a man more than I love you, never have I wished for a friendship more than I wish for yours." Cavalieri remained devoted to Michelangelo till his death.
Michelangelo dedicated to him over three hundred sonnets and madrigals, constituting the largest sequence of poems composed by him. Their homoerotic nature was recognized in his own time, so that a decorous veil was drawn across them by his grandnephew, who published an edition of the poetry in 1623 – with the gender of pronouns changed…
John Addington Symonds, the early British homosexual activist, undid this change by translating the original sonnets into English and writing a two-volume biography, published in 1893.
The sonnets are the first large sequence of poems in any modern language addressed by one man to another, predating Shakespeare's sonnets to his young friend by a good fifty years.

Prudishness in the era of advertising?!

I feel as lit by fire a cold countenance
That burns me from afar and keeps itself ice-chill;
A strength I feel two shapely arms to fill
Which without motion moves every balance.

Through his poetry and visual art we may glimpse the arc of his imagination…

RIC & Wikipedia

Muito obrigado, Paulo, pela tua estimulante sugestão!

Mais um Setembro que termina.
A uns, «olá, bem-vindos»
A outros, «adeus, até um dia»
Que o mundo não tem como parar…

sábado, 29 de setembro de 2007

Supper with the Dead…

«Young people used to neglect death, even to olympically ignore it; nowadays they fear it. What on earth happened?»

Here's an odd, somewhat spooky challenge, no doubt, but I kinda fancy it! Something to be taken à la Don Giovanni, I'd say...

«Which 11 dead souls from History would you invite for a dream – or a nightmare… – supper? State your reasons.»

As I am a little bit «more papist than the pope himself» (as we all Portuguese usually are), I've decided to have two suppers: one to settle some things right with Portuguese History, and another to satisfy my worldwide curiosity.
As to you, dear blogger friends, just follow what your hearts tell you to. You'll surely find your own method.

So here are the Portuguese celebrities I would invite:

1. D. Leonor Teles, para ficar a saber todas as p*tices que quase nos custaram a independência.
2. Gil Vicente, para me relembrar como se goza com classe com o poder estabelecido.
3. Fernão Mendes Pinto, para me contar as verdadeiras barbaridades dos portugueses no Oriente.
4. D. Sebastião, para me deliciar com bichices renascentistas.
5. Bocage, para ouvir umas quadras hardcore sobre todos os presentes.
6. D. Carlota Joaquina, para fazer pendant com as outras duas.
7. Camilo Castelo Branco, para ter um olhar sarcástico sobre os convivas.
8. Pessoa, para vê-lo verdadeiramente desassossegado.
9. Salazar, para vê-lo muitíssimo perturbado, quase apopléctico.
10. Beatriz Costa, para a desbunda ser total.
11. Cunhal, para o apreciar a demolir os inimigos históricos do povo.



«Don Giovanni, a cenar teco m'invitasti!»

And here are my cosmopolitan guests:

1. Nefertiti: what a beauty queen's life was like in Ancient Egypt.
2. Plato: looking me in the eye, why he bans poets from the city.
3. Alexander Magnus: what was harder – conquering the largest empire ever or keeping his lover's love?
4. Hadrian: how correct and adequate Yourcenar's novel is.

5. Torquemada: how hot it is living in a luxury condo in hell.
6. Michelangelo: how grand it was for an artist to be great and gay.
7. Mozart: a cheerful genius is a must at a supper table.
8. Marquis de Sade: what drove him so far.
9. Queen Victoria: all of her love affairs out in the open.
10. Einstein: what the Universe holds in store for us humans.
11. Marguerite Yourcenar: now she'll have to tell nothing but the truth.

Import this «challenge» to your blogs if you feel like it. It's great fun!
Please take this as only a weekend amusement. There's nothing else to it, really.
Thanks, dear Will, for the lush idea!

RIC

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

«Per Amore»...


Io conosco la tua strada
Ogni passo che farai
Le tue ansie chiuse e i vuoti
Sassi che allontanerai
Senza mai pensare che
Come roccia io ritorno in te…
Io conosco i tuoi respiri
Tutto quello che non vuoi
Lo sai bene che non vivi
Riconoscerlo non puoi
E sarebbe come se
Questo cielo in fiamme
Ricadesse in me
Come scena su un attore…

Per amore
Hai mai fatto niente
Solo per amore
Hai sfidato il vento e urlato mai
Diviso il cuore stesso
Pagato e riscommesso
Dietro a questa mania
Che resta solo mia

Per amore
Hai mai corso senza fiato
Per amore
Perso e ricominciato
E devi dirlo adesso
Quanto di te ci hai messo
Quanto hai creduto tu
In questa bugia
E sarebbe come se
Questo fiume in piena
Risalisse a me
Come china al suo pittore

Per amore
Hai mai speso tutto quanto la ragione
Il tuo orgoglio fino al pianto
Lo sai stasera resto
Non ho nessun pretesto
Soltanto una mania
Che resta forte e mia
Dentro quest'anima che strappi via
E te lo dico adesso
Sincero con me stesso
Quanto mi costa non saperti mia
E sarebbe come se
Tutto questo mare
Annegasse in me.

Andrea Bocelli

Eu conheço a tua estrada
Cada passo que darás
Teus desejos calados, teus vazios
Pedras que afastarás
Sem jamais pensar que
Como uma rocha
Volto sempre para ti…
Eu conheço a tua respiração
Tudo o que tu não queres
Sabes bem que não vives
Mas não queres reconhecê-lo
Só se este céu em chamas
Desabasse sobre mim
Como um cenário sobre um actor...
Por amor
Já fizeste alguma coisa
Apenas por amor
Já desafiaste o vento e gritaste
Já dividiste o próprio coração
Já pagaste e apostaste várias vezes
Nesta mania
Que continua a ser só minha
Por amor
Já correste até ficar sem fôlego
Por amor
Já te perdeste e recomeçaste
E tens de dizer agora
Quanto de ti puseste nesta história
Quanto acreditaste nesta mentira
Só se um rio se levantasse em mim
Como uma enchente
Como tinta-da-china de um pintor
Por amor
Já esgotaste tudo, a tua razão
O teu orgulho até ao pranto
Sabes, esta noite eu fico
Não tenho nenhum pretexto
Apenas uma mania
Que permanece forte e minha
Dentro desta alma que tu dilaceras
E digo-te agora
Sincero comigo mesmo
Quanto me custa não te saber minha
É como se todo este mar
Se afogasse em mim.

Tradução (literal) de RIC (sem pretensões poéticas)

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Reflexões em jeito de máximas…

• O cabelo flutua como pena, quando preso à raiz; se arrancado e solto, afunda-se como metal.

• Na Arte, revela-se uma estética decorrente de um gosto; numa certa concepção de arte, assume-se um gasto sancionado por nenhuma ética.

• São normais as conveniências humanas, mas são naturais as conveniências de certas maiorias.

• É coerente porque é estúpido; ou é estúpido porque é coerente.

• Na vida, tudo são hábitos: uns virtuosos, outros viciosos; convirá porventura manter ambas as partes em equilíbrio.



O espaço e o tempo ideais para reflectir…

• Hair floats as a feather when attached to its root; if pulled out and loose, it sinks as metal.

• In Art, aesthetics is disclosed according to a taste; in a certain conception of art, an expense is carried out, sanctioned by no ethics.

• Human conveniences are normal, but the conveniences of certain majorities are natural.

• He's consistent because he's stupid; or he's stupid because he's consistent.

• In life, everything's habits: some virtuous, other vicious; it's somehow convenient to keep both parts in balance.

RIC

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

José Saramago, Literature Nobel Prize

I met him personally some years ago, maybe a few years before he was awarded the Nobel Prize.
He was still living in Lisbon, and the Portuguese Language Society invited him to take part at a meeting with foreign university students, who were attending a summer course of Portuguese language and culture organized by the Society.
He was well-known already; his presence at different events was highly required, but he gladly acquiesced in spending a whole August afternoon with the students and with us teachers. A wonderful afternoon indeed!
He addressed the students mainly about Memorial do Convento, but he also spoke about the book I still like best, exactly the one he told me back then he liked best too. In it Saramago reveals an astonishing, wondrous knowledge of Pessoa's poetic work.


O Ano da Morte de Ricardo Reis – Português
El Año de la Muerte de Ricardo Reis – Español
L'Anno della Morte di Ricardo Reis – Italiano
L'Année de la mort de Ricardo Reis – Français
Anul Mortii lui Ricardo Reis – Română


The Year of the Death of Ricardo Reis – English
Het jaar van de dood van Ricardo Reis – Nederlands
Das Todesjahr des Ricardo Reis – Deutsch
Det år Ricardo Reis døde – Dansk
Det året Ricardo Reis døde – Norsk
Året för Ricardo Reis död – Svenska
Árið sem Ricardo Reis lést – Íslenska


Rok śmierci Ricarda Reisa – Polski
Rok smrta Ricarda Reise – Česky
Год смерти Рикардо Рейса – Русский

Ricardo Reisin kuoleman vuosi – Suomi
Ricardo Reis halálának éve – Magyar

Ricardo Reis'in Öldüğü Yıl – Türkçe

Το έτος του θανάτου του Ρικάρδου Ρεις – Ελληνηκά

Was it emphatic enough or what?!

If you happen – by one of those unexplainable misfortunes in life… – not to have read this great literary masterpiece yet, I strongly advise you to do so as soon as possible… [Laughing out loud!]

Should your problem be the language, I believe you have no admissible excuse anymore, have you now?…

Saramago doesn't need any kind of advertising besides his own work, but this particular masterpiece is a landmark indeed in 20th century Portuguese literature and culture.

Enjoy it lavishly if you please!

RIC

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Neerlandistiek in | Neerlandística em Portugal


«Een onzekere toekomst voor de neerlandistiek in Portugal
Nabije toekomst


De dynamische werkelijkheid van de neerlandistiek in Portugal verkeert in groot gevaar!
In Lissabon heeft de docent Nederlands te horen gekregen dat haar detachering aan het eind van dit academiejaar afloopt en zij wordt daarom geacht naar haar middelbare school terug te keren.
Haar vertrek betekent het einde van het docentschap Nederlands!
In het beste geval zal een docent aangetrokken worden die per uur betaald krijgt voor een eventuele vrije cursus.
Het gaat heel slecht met de Portugese universiteiten, met de Portugese ambtenarij en met de Portugese economie.
Er moet flink bezuinigd worden en de kans dat de contracten van de docenten Nederlands zonder slag of stoot beëindigd worden is heel groot.
Het einde van die contracten betekent het einde van de docentschappen. Het einde van de docentschappen betekent het einde van alle extra culturele en literaire activiteiten die zij organiseren.
Het universitaire onderwijs Nederlands in Portugal zal gereduceerd worden tot wat reeksjes taallessen binnen de talencentra die de verschillende faculteiten aan het opstarten zijn.
In korte tijd breekt men af wat we in veertig jaar hebben opgebouwd.
Als Nederlands uit het curriculum verdwijnt, zal dat voorgoed zijn.
En dat terwijl binnen de EU meertaligheid en kennis van de talen van de andere EU-partners als speerpunten worden gepresenteerd!»

Nieuwsbrief Internationale Vereniging voor Neerlandistiek, april 2007

Um futuro incerto para a Neerlandística em Portugal
Futuro próximo

A realidade dinâmica da Neerlandística em Portugal corre grande perigo!
Em Lisboa, a docente de Neerlandês foi informada de que o seu destacamento termina no final deste ano lectivo, pelo que deverá regressar à sua escola secundária.
A sua partida significa o fim da docência de Neerlandês!
Na melhor das hipóteses, um docente será contratado como tarefeiro, sendo pago à hora por um possível curso livre.
Muito mal vão as universidades portuguesas, muito mal vai o funcionalismo público português, muito mal vai a economia portuguesa.
Impõem-se poupanças, e é grande o risco de os contratos dos docentes de Neerlandês serem terminados sem apelo nem agravo.
O fim desses contratos significa o fim das docências.
O fim das docências significa o fim de todas as actividades culturais e literárias extraordinárias por elas organizadas.
O ensino universitário de Neerlandês em Portugal será reduzido a uns ciclos de lições de língua dentro dos centros de línguas que as várias faculdades estão agora a criar.
A curto prazo, destruir-se-á o que construímos em quarenta anos.
Se o Neerlandês desaparecer do currículo, será para sempre.
E isto enquanto na UE, o plurilinguismo e o conhecimento das línguas dos outros parceiros da UE são apresentados como pontas de lança!

Publicado na newsletter da IVN – Associação Internacional de Neerlandística, Abril de 2007

Tradução de RIC

Conheci o Instituto de Língua e Cultura Neerlandesas da Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa por volta do final de 1976.
E, com ele, um dos docentes que mais me marcaram pelo seu estilo sedutor e envolvente de ensinar uma matéria – no caso, uma língua viva – e de tudo pôr em relação.
Falo do saudoso Professor Luís Crespo Fabião. Soube recentemente que já não está entre nós.
Aqui lhe presto a minha singela homenagem e dou testemunho do muito de muita coisa que com ele pude aprender ao longo dos quase quatro anos em que fiz questão de frequentar os sucessivos níveis do curso livre que ele sempre leccionou. Graciosamente.
É a sua obra de quarenta anos que os abutres de hoje – incultos avaros – pretendem destruir. O que será o ano lectivo que agora se inicia?
Independentemente de se ser estudante do curso oficial ou do livre, houve sempre lugar como bolseiros para todos os melhores nos cursos de Verão, quer na Bélgica (Gent, Flandres Oriental) quer nos Países Baixos (Breukelen, Utreque).
Se com o Professor Fabião aprendi essencialmente Neerlandês, aprendi também muito Inglês e Alemão e Latim e Grego e... Português, bem entendido, e, provavelmente, o melhor que de tudo isto me ficou: o intenso treino de tudo pôr em relação.
E nunca esqueci que informação não será nunca saber enquanto não for devidamente interiorizada, assimilada e posta em relação.
Bem-haja, meu bom Professor e amigo, onde quer que esteja!

Eterna saudade do

Ricardo


Divulgação

O romance De tweeling, de Tessa de Loo, exibido na barra lateral em representação da literatura neerlandesa, foi já publicado em tradução portuguesa de Ana Leonor Duarte com o título As Gémeas, pela editora Quetzal.

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Da existência…


Morte e Vida

De um para o outro extremo
Existo.
Duro.
Vivo sendo até à morte.
Existo durando até estar morto.
Um, o caminho.
O outro, a espera.

É a hora.
Aninho a cabeça entre a plumagem
Do dorso da grande ave cega.
Ela voará.
Não saberei nunca para onde
Por matérias, moléculas, átomos, partículas
Cargas, energias, plasmas, cordas e lacetes
E por tudo o mais que houver e não houver.

Por todo o lado há negros sorvedouros
Que transmudam ledas vidas
Em mestas passagens.


Das areias por um sopro de vida resgatado

Sempre que se é morto sem porquê

O fim do caminho vem entrando pela última noite dentro.
Aquieta-se o corpo, ainda intranquilo.
Eterno o indiferente vaivém do mundo tomado nas mãos
Quebrado, esfarelado, arremessado ao acaso de ritos.

Não rebentam bombas em mercados.
Caem olhares no chão cheios de pudor.

A cortina vítrea da boca de cena aprisionou há muito
Pulsos abertos e veias cortadas e sangue a jorros
Com lágrimas que caem.
A cortina é baça.
O pulsar é lento.

Na madrugada marcial
A luz cortante exibe a poça fria
Do sangue e das lágrimas
Da carne retalhada
Da dor desprendida
Da vida
Na casa jazigo.

RIC

domingo, 23 de setembro de 2007

Cape of Good Hope and the Giant Adamastor

Os Lusíadas, usually known by the title «The Lusiads» in English, is a Portuguese epic poem by Luís Vaz de Camões – sometimes spelled Camoens in English – and is considered one of the most important works of World literature.
Written in Homeric fashion («Iliad» and «Odyssey»), the poem – in ten Chants/X Cantos – focuses mainly on a fantastical interpretation of the Portuguese voyages of discovery during the 15th and 16th centuries.
The poem is often regarded as Portugal's national epic, much in the way as Virgil's «Æneid» was for the Ancient Romans.
It was first printed in 1572, three years after the poet returned from the Orient.

In the fifth Chant – Canto V – the story moves on to the King of Melinde (eastern Africa), describing the journey of the Armada from Lisbon to Melinde.
During the voyage, the sailors see the Southern Cross, St. Elmo's Fire or the Maritime Whirlwind, and face a variety of dangers and obstacles such as the fury of a monster in the episode of the Giant Adamastor.
The Canto ends with the poet's censure of his contemporaries that despise poetry.



The Giant Adamastor is a Greek-type mythological character invented by Camões, as a symbol of the forces of nature Portuguese navigators had to overcome on their discovery travels:

"Chill the flesh and the hairs
To me and all
[the others] only by listening and seeing him".

"Arrepiam-se as carnes e os cabelos
A mim e a todos só de ouvi-lo e vê-lo".

This is intended to convey pure fear, the imminent threat of annihilation. The evil demigod is preceded by a black cloud, which appears above the heads of the sailors.
Expressing the surprise he experiences, Gama quotes himself:

"Oh divine power – [I] said – sublimated,
What divine threat or what secret
This clime and this sea presents to us
That seems a bigger thing than a storm?"

"Ó potestade – disse – sublimada,
Que ameaço divino ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?"

As a "strange Colossus"/"estranhíssimo Colosso", "Rude son of the Earth"/"Filho aspérrimo da Terra", Adamastor became the Spirit of the Cape, a hideous phantom of unearthly pallor:

"Even as I spoke, an immense shape
Materialised in the night air,
Grotesque and enormous stature
With heavy jowls, and an unkempt beard
Scowling from shrunken, hollow eyes
Its complexion earthy and pale,
Its hair grizzled and matted with clay,
Its mouth coal black, teeth yellow with decay."

"Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura;
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má e a cor terrena e pálida;
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos."

Such emphasis on the appearance of the Adamastor is intended to contrast with the preceding scenery, which was expressed as "seas of the South" ("mares do Sul"):

"The winds blowing favourably
When one night, being careless
In the cutting bow watching,"

"Prosperamente os ventos assoprando,
Quando uma noite, estando descuidados
Na cortadora proa vigiando,"

Camões gave his creation a history as one of the Giants of Greek mythology who had been spurned by Thetis, now appearing in the form of a threatening storm cloud to Vasco da Gama and threatening ruin to anyone hardy enough to pass the Cape and penetrate the Indian Ocean, which was Adamastor's domain.

Cape Point: the tip of the Cape Peninsula where the Atlantic and Indian oceans come together

«Eu sou aquele oculto e grande Cabo
A quem chamais vós outros Tormentório,
Que nunca a Ptolomeu, Pompónio, Estrabo,
Plínio e quantos passaram fui notório.
Aqui toda a Africana costa acabo
Neste meu nunca visto Promontório,
Que para o Pólo Antárctico se estende,
A quem vossa ousadia tanto ofende.»

«I am that one occult and great Cape
That you others call Tormentor,
That never by Ptolemy, Pomponius, Strabo,
Pliny and many before was known.
Here the entire African coast I finish
In this mine never seen Promontory,
That to the Antarctic Pole extends,
To whom your boldness so much offends.»

Thus it represents the dangers Portuguese sailors faced when trying to round the Cape of Storms, henceforth called, in consequence of the resultant success in despite thereof, Cape of Good Hope.

Adamastor has figured in much poetry of the Cape.

It is also mentioned in the opera «L'africaine» (1865) about Vasco da Gama by the composer Giacomo Meyerbeer. The slave Nelusko sings a song about Adamastor while he deliberately steers the ship into a storm and it sinks.

In «The First Life of Adamastor», a novella by André Brink, the writer refashioned the Adamastor story from a 20th-century perspective.


A popular gathering place in Lisbon is also known by the name «Adamastor» because of the large stone statue of the mythical figure which presides over the space, officially called the «Miradouro de Santa Catarina». This vista point offers visitors some of the most breathtaking views of the Tagus, the 25th of April Bridge and the Cristo Rei monument.

RIC & Wikipedia


I dedicate this post to my blogger friend Cape Town Musician.
No especial honour to him, for sure, just a gentle thought of mine…

sábado, 22 de setembro de 2007

«Le Métèque»


Paroles et musique – Georges Moustaki, 1969

Avec ma gueule de métèque,
De Juif errant, de pâtre grec
Et mes cheveux aux quatre vents.
Avec mes yeux tout délavés
Qui me donnent l'air de rêver,
Moi qui ne rêve plus souvent.
Avec mes mains de maraudeur,
De musicien et de rôdeur
Qui ont pillé tant de jardins.
Avec ma bouche qui a bu,
Qui a embrassé et mordu,
Sans jamais assouvir sa faim.

Avec ma gueule de métèque,
De Juif errant, de pâtre grec,
De voleur et de vagabond.
Avec ma peau qui s'est frottée
Au soleil de tous les étés
Et tout ce qui portait jupon.
Avec mon cœur qui a su faire
Souffrir autant qu'il a souffert,
Sans pour cela faire d'histoires.
Avec mon âme qui n'a plus
La moindre chance de salut
Pour éviter le purgatoire.

Avec ma gueule de métèque,
De Juif errant, de pâtre grec
Et mes cheveux aux quatre vents.
Je viendrai, ma douce captive,
Mon âme sœur, ma source vive,
Je viendrai boire tes vingt ans.
Et je serai prince de sang,
Rêveur ou bien adolescent,
Comme il te plaira de choisir.

Et nous ferons de chaque jour
Toute une éternité d'amour,
Que nous vivrons à en mourir.


Para amenizar o princípio do fim-de-semana, um pouco de cultura musical gaulesa – com suaves laivos de um helénico Mediterrâneo… – também sabe muito bem!
Apreciem «O Meteco» e façam do vosso fim-de-semana «une fête à en mourir»!… Também faz falta!

To brighten up the beginning of the weekend, a little bit of Gaul musical culture – with soft tones of a Hellenic Mediterranean… – also feels quite well! Enjoy «The Métèque» and turn your weekend also into a party to die for!… Sometimes you just need that!

RIC

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Baffling Mae West!


«I speak two languages: Body and English.»

Mae West (August 17th, 1893 - November 22nd, 1980) was an American actress, playwright, screenwriter, and sex symbol.
Famous for her bawdy double entendres, Mae West made a name for herself in vaudeville and on the legitimate stage in New York before moving to Hollywood to become a comedian, actress and writer.
One of the most controversial stars of her day, Mae West encountered many problems including censorship.

In 1932, Mae West was offered a motion picture contract by Paramount. She signed and went to Hollywood to appear in «Night After Night».At first, she did not like her small role, but was appeased when she was allowed to rewrite her scenes. In West's first scene, a hat check girl exclaimed, «Goodness, what lovely diamonds!» West replied, «Goodness had nothing to do with it, dearie.»

She brought «Diamond Lil», her very successful Broadway play – now Lady Lou –, to the screen in «She Done Him Wrong» in 1933 («Uma Loura Para Três»), personally selecting Cary Grant for the male lead as Captain Cummings, a role that greatly influenced his career. The movie was a success and earned an Academy Award nomination for Best Picture.

«New York singer and nightclub owner Lady Lou has more men friends than you can imagine. Unfortunately one of them is a vicious criminal who's escaped and is on the way to see "his" girl, not realising she hasn't exactly been faithful in his absence. Help is at hand in the form of young Captain Cummings, a local temperance league leader though.»

The frank sexuality and seamy settings of her films aroused the wrath of moralists. On July 1st, 1934, the censorship of the Production Code began to be seriously and meticulously enforced and her scripts began to be heavily edited. Her answer was to increase the number of double entendres in her films, expecting the censors to delete the obvious lines and overlook the subtle ones. She made sex amusing – to those who could only see sex as either evil lust or sacred matrimonial act – this was indeed subversive!

West's next movie was «Belle of the Nineties» (1934). It was originally titled «It Ain't No Sin», but the title was changed due to the censor's objection. Other tentative working titles included «That St. Louis Woman», «Belle of St. Louis» and «Belle of New Orleans». The same could be said for her following film, «Goin' To Town» (1935), which was originally titled «How Am I Doin'?»

In 1936, she adapted for the screen Lawrence Riley's Broadway hit «Personal Appearance». The film, directed by Henry Hathaway, was one of the rare times when Mae West starred in a role not originally conceived for her.

«Why don't you come up some time and see me, when I got nothing on but the radio?», Lady Lou says to Captain Cummings…





I'd like to point out a few features of her acting expertise that have always impressed me tremendously: her facial expressions and hair, her mystifying voice and studied elocution, her great body, and her astonishing presence...
Long live great Mae!

RIC & Wikipedia

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Analisando o incidente a bordo…

(Conclusão do texto ficcional de quarta-feira, 12 de Setembro)

«Não me tenho em conta de misantropo, mas há ocasiões em que me saberia muito bem ser anacoreta. Quem me dera estar alhures. Discorrendo sobre o incidente, evito voltar a pensamentos ainda mais perturbadores do que a sombria perspectiva de estar a bordo de um avião que poderá despenhar-se a qualquer instante, apenas porque alguém se considera mais esperto, com mais direitos e acima da lei.

Admito sem rebuços que não tenho nem mais nem menos qualidades que quaisquer outros. Afinal, é até com alguma esperteza saloia que vou analisando a peripécia, em silêncio e ao pormenor, a partir do abrigo do meu lugar, iludindo-me que assim escapo mais facilmente às inquietações que a aproximação a Lisboa torna cada vez mais ingentes. Julgo que, agindo assim, não me misturo a uma discussão de matarroanos e pacóvios, que é o que penso deles. Mas, com esta atitude, apenas desvio o olhar de mim para os outros…

Depois, há alguma inveja mesquinha em não conseguir, como os outros, ocupar o espírito com elucubrações sobre se também a mim me assistiria o direito de utilizar o telemóvel. Enquanto eles se vão dividindo em grupos e encarniçando em acirrados falatórios, eu fico em silêncio no meu lugar, não deixando por isso de observar, esmiuçar e criticar tudo o que se vai passando, por alguma coscuvilhice calada mas não menos lampeira, feita de olhares furtivos. A diferença é apenas formal. Não poupando nas censuras, é com alguma maledicência que lhes vou traçando os retratos com contornos afiados. Mas não tenho a coragem, por alguma cobardia assarapantada, de me levantar do lugar onde ainda me sinto protegido e de lhes dizer cara a cara o que penso.

Há também alguma sujeição rasteira em aceitar sem reacção a ínvia vontade de uma maioria, que pode causar uma catástrofe, por receio de afrontá-la, quando a minha obrigação seria insurgir-me contra o calamitoso erro que pode tornar-se criminoso. E há ainda alguma acomodação e indolência a que me parecem condenar o fatalismo, o azar, a pouca sorte de estar a bordo deste avião, caso a normalidade não seja retomada. Embora seja vítima potencial, não intervenho por considerar que não é responsabilidade minha contribuir para a solução. Entrego o caso a outrem, a quem à partida reconheço autoridade para resolver o problema.

Os deméritos, que prontamente aponto aos outros, são também afinal os meus defeitos. Não sou melhor nem pior, nem fico por isso mais descansado. «Coragem, portugueses, só vos faltam as qualidades!» Almada Negreiros, «poeta de Orpheu, futurista e tudo», conhecer-se-ia muito bem a si próprio, mas sem dúvida conhecia-nos a todos nós muitíssimo melhor. «Mestre quem?! Não faço ideia, mas acho que é capaz de ser uma dessas celebridades que andam por aí nas revistas, não? Ou um desses que fazem telenovelas…»

Desprezamos olimpicamente os bens do espírito, temos almas cada vez mais pequenas e, por teimarmos na pequenez, invejamos qualquer sinal de grandeza maior. Assim, o nivelamento por baixo é a solução ideal, perfeita, e é o que sistematicamente acontece. Propensos ao imediato e ao pronto, livramo-nos depressa demais de tudo o que requeira esforço de concentração e de reflexão, o que, do alto da nossa suprema sabedoria, achamos desnecessário. Porém, o caso muda de figura se acaso, pública e oficialmente, somos chamados a pronunciar-nos. Então, é o que há de pior no estilo pseudo-académico que revelamos, inviabilizamos qualquer simpatia ou empatia com o assunto que, obviamente, dominamos na perfeição como ninguém e tornamos insuportável a simples audição ou leitura. E nisto, não temos mudado nem damos sinais de querer mudar. Definitivamente, pensar, discernir, discorrer não serão as nossas mais inatas vocações, as nossas melhores qualidades. Sob vários aspectos, revelam-se até defeitos inextirpáveis. Por alguma razão, filosofar em Português é mentira.

Há tempos dizia um entendido em representações geométricas, que um segmento de recta se ajusta lindamente a dar forma às particularidades do carácter nacional. «Parte delas num extremo, outra parte no outro, nada entre eles e tudo em desequilíbrio.» É decerto o que peritos em análise lógica já haviam transposto, com a célebre disjunção exclusiva, para «ou oito ou oitenta». E o povo, na sua infinita sabedoria superior a abstracções e feita da empírica experiência, formulou o mesmo na eloquente imagem disfemística «ou cu à mostra ou calções de veludo», não descurando a imprescindível alternativa absoluta. O expressivo plebeísmo apenas enfatiza o pitoresco concreto e realista.»

(Sem pretender dar quaisquer pistas de leitura/interpretação, importa-me registar que esta segunda parte foi construída em «contraponto» à primeira, um pouco como um possível exercício de auto-ironia. Não sei se o narrador o terá plenamente conseguido. As vossas reacções o dirão…)

RIC

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Aquilino in the National Pantheon


Aquilino Ribeiro (Sernancelhe, September 13th, 1885 - Lisbon, May 7th, 1963) was a Portuguese writer.

Destined to priesthood, Aquilino Ribeiro soon got involved in republican politics, opposing the Portuguese monarchy, and had to leave the country for exile in Paris, where he studied Philosophy at the Sorbonne. He returned to Portugal in 1914.

He was involved in the opposition to Salazar and the «Estado Novo», whose government tried to censor or ban some of his works.

His name was proposed for the Literature Nobel Prize in 1960 by significant public figures in Portuguese culture such as Francisco Vieira de Almeida, José Cardoso Pires, David Mourão-Ferreira, José Gomes Ferreira, Maria Judite de Carvalho, Urbano Tavares Rodrigues, Vergílio Ferreira, Joel Serrão, Mário Soares, Vitorino Nemésio, Alves Redol and João Abel Manta.

Here are a few of his most famous titles:

Terras do Demo (1919)
O Malhadinhas (1920)
Andam Faunos pelos Bosques (1926)
O Romance da Raposa (1929)
Volfrâmio (1944)
Cinco Réis de Gente (1948)
A Casa Grande de Romarigães (1957)
Quando Os Lobos Uivam (1958)

Considered one of the greatest Portuguese novelists of the 20th century – he wrote more than 70 novels –, Aquilino Ribeiro managed to cross rusticity with erudition, showing in his work a gallery of peculiar, telluric characters that classified him forever as a faithful observer of "grandeur and misery" of humankind.

«Mais não pude» (in the sense of «I wasn't able of any better») is the sentence he would have wanted for his epitaph.

His remains will be transferred today to the National Pantheon, where another great writer is certainly most welcome among all other noble Portuguese.

RIC

terça-feira, 18 de setembro de 2007

«Quiseram chamar-me Fernando»

A janela do meu quarto dá para uma rua
Onde carros continuam a passar
Todos os dias
Todo o dia.
Gente que fala são vozes que ouço.
Gente que caminha são passos que ressoam.
Chaves que tilintam são portas que se abrem.
Tal como na tua rua
Como no teu tempo.
Igual monótono.

Olho em frente e há uma tabacaria
Onde todos os dias entram e saem
Outros Esteves muitos.
Os filhos, os netos, os bisnetos.
Igual monótono.

Eu que não sou Fernando mas estive para ser
Também digo pensar com o coração
Sentir com a razão
E escrever prosas que não são versos.

Deve ser isto assim
O ser parte da humanidade.
Mais um grão de areia soprado para a engrenagem
Que um dia há-de expeli-lo.
Tu saíste em trinta e cinco
Eu entrei em cinquenta e nove
Nesta nossa Lisboa ainda a mesma
Na mesma língua que ainda hoje doce dura.

Em caixas sobrepostas há gente a escrever versos alinhados
Na correnteza de vagões do teu comboio de corda.
Versos à beleza deste espaço onde vivos fazem vidas
Em jazigos para vivos
Geometricamente empilhados em talhões bairros
Horrores de arquitectura.

Quem dera um suave desígnio
Nesta desvairada trucidação de susto e ânsia
Que nos disseram à chegada
Que era a vida.

RIC

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Maria Callas – Thirty Years of Immortality

Άννα Μαρία Καικιλία Σοφία Καλογεροπούλου
(Ana Maria Cecília Sofia Kalogueropúlu)

«Andrea Chénier»

Music by Umberto Giordano
Libretto by Luigi Illica

Terzo quadro

Maddalena:

La mamma morta
m'hanno alla porta
della stanza mia;
moriva e mi salvava!…
poi – a notte alta – io con Bersi errava, –
quando, ad un tratto, un livido bagliore
guizza e rischiara innanzi a' passi miei
la cupa via! –
Guardo!… Bruciava il loco di mia culla!
Così fui sola!… E intorno il nulla!
Fame e miseria!…
Il bisogno e il periglio!…
Caddi malata!…
E Bersi, buona e pura,
di sua bellezza ha fatto un mercato,
un contratto per me! –
Porto sventura
a chi bene mi vuole!
Fu in quel dolore
che a me venne l'amore!…
Voce gentile piena d'armonia
e dice: "Vivi ancora! Io son la vita!
Ne' miei occhi è il tuo cielo!
Tu non sei sola! Le lacrime tue
io le raccolgo!… Io sto sul tuo cammino
e ti sorreggo!
Sorridi e spera!… Io son l'amore!
Tutto intorno è sangue e fango?…
Io son divino!… Io son l'oblio!
Io sono il dio
che sovra il mondo scende da l'empireo,
fa della terra un ciel!… Ah!
Io son l'amore! Io son l'amor, l'amor."

As a humble tribute to the memory of this astonishing woman, whose voice will always be the Wondrous Voice, I just couldn't help being reminded of another high moment – in my opinion, one of the highest indeed! – in the History of cinema: Tom Hanks in Philadelphia – «Do you like Opera?»
Watch that unique scene again
here.

Hoje, pelas 23:30, a RTP2 transmitirá um documentário de cariz biográfico que, a julgar apenas pelas imagens de apresentação, se revestirá de grande interesse para o público em geral e, talvez ainda mais, para quem esteja menos familiarizado com a vida e a carreira da grande soprano.

RIC

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Ponto de ordem

«Soyez donc résolus à ne plus servir et vous serez libres.»
«Decidi-vos a não servir mais e sereis livres.»
Étienne de La Boétie

«If you've had enough, don't put up with his stuff, don't you do it.
If you've had your fill, get the check, pay the bill, you can do it.
Tell him to just get out.
Nothing left to talk about.
Pack his raincoat, show him out.
Just look him in the eye and simply shout.
"Enough is enough!"
I want him out,
I want him out that door now.
"Enough is enough!
Goodbye mister!"»



Da verdade existem tantas facetas quantas as bocas que dizem proferi-la, uma óbvia evidência que, ainda assim, passa despercebida a muitos que se consideram e dizem atentos.

Desde que, em Julho do ano passado, criei este blogue, ele tem sido um espaço de liberdade para mim e para todos aqueles que por aqui têm passado. Uns estiveram apenas de passagem, outros chegaram e ficaram, outros ainda estiveram e partiram. E é assim que deve ser, na minha opinião.

Contar-se-ão pelos dedos de uma mão aqueles com quem estabeleci qualquer outro tipo de contacto que não o que ocorre nesta página e na de comentários, a que sempre fiz, faço e farei questão de responder.

Não busquei, não busco nem buscarei qualquer outro tipo de relacionamento com os bloguistas que têm vindo a integrar a lista de contactos (blogroll) da barra lateral, ela própria reflexo das mudanças inerentes a tudo o que depende da livre vontade de cada um.

A invocação da amizade por dá cá aquela palha não me diz rigorosamente nada. As amizades constroem-se a partir de duas bases; não surgem do nada por obra e graça do espírito santo, ou apenas porque a palavra é utilizada num sentido performativo que, obviamente, não tem.

Nunca fiz, não faço nem jamais farei parte da corte de ninguém. Nem na realidade real, nem aqui, na realidade dita virtual. Afirmo claramente no meu perfil que sou um outsider, um marginal assumido, no tocante a espíritos de capelinha, a joguinhos de poder, a clubes de fãs mais ou menos fidelizados, a estratégias infantis de reinação.

Nada disso me interessa. Nunca me interessou.

Prezo a minha liberdade acima de tudo e reservo-me todo o direito de comentar o que eu quero, onde eu quero, como eu quero e quando eu quero.

Não tomo lições de absolutamente ninguém no que a esta minha forma de estar na blogosfera diz respeito. De igual modo, prezo a liberdade dos outros e, por isso, entendo que cada um comenta – ou não – aquilo que muitíssimo bem entende e lhe apetece comentar. Não faço disso qualquer questão e não vou por isso nem elogiar nem perseguir seja quem for. Com quase meio século de vida, já tenho muito boa idade para ter algum juízo. E sensatez. E discernimento.

Exijo, isso sim, ser absolutamente respeitado por quem quer que aqui chegue e queira fazer parte deste pequeno grupo de convívio. Já o disse várias vezes e parece-me que nunca será demais repeti-lo, sobretudo – e lamentavelmente – no que concerne o sector luso da blogosfera: a pedra de toque de todo o relacionamento humano é o respeito. Quem o quer para si tem de o dar. Não há nenhum outro caminho. Não há quaisquer toleranciazinhas que mascarem esta evidência.

Durante alguns meses após a sua criação, este blogue permaneceu ausente do circuito nacional. Depois, por circunstâncias várias, acabou por nele entrar. No cômputo geral, tem sido uma agradável e recompensadora experiência. Porém, não me sinto – nem estou! – de todo amarrado a coisíssima nenhuma. Se considerar que deverei regressar ao modelo inicial, fá-lo-ei sem quaisquer hesitações.

Não serei aqui refém de nada nem de ninguém. E não voltarei a este assunto. Considero-o um desperdício de tempo e de energia.

Estejam todos, pois, muitíssimo à vontade para chegar, para ficar e também para partir.

A vontade de cada um de vós é soberana. A minha também.

A liberdade tanto é vossa quanto é minha.

Disponham sempre!

RIC

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Da esperteza saloia e outros vícios…

«Um incidente irrompe a bordo. Um compatriota tranca-se num lavabo. É um homem com os seus quarenta e cinco anos que, a julgar pelo aspecto, tanto pode ser um executivo bem instalado na vida como um novo-rico bem treinado. Outro compatriota aguarda no exterior, insurge-se contra o colóquio, denuncia ruidosamente a clandestinidade do acto e expõe o que o indigna. «Se este pode, também eu posso, também tenho telefonemas urgentes a fazer.» Parece que ou imita muito bem ou lhe vai dar ali mesmo um tranglomango qualquer, tal a fúria exibida. O primeiro sai então do lavabo, mira o segundo de alto a baixo exibindo um leve sorriso de desdém que lhe põe a boca à banda e profere o veredicto. «Que culpa tenho eu de você não saber fazer as coisas?» Vira-lhe as costas e regressa impante ao lugar. Tudo aquilo tresanda a sobranceria marialva.

É a esperteza saloia de um e a inveja mesquinha do outro.

Só agora me apercebo de que foram muito poucos os portables que vi em Paris, se comparar com a epidemia que grassa em Lisboa. É penoso ver tanta gente por todo o lado sempre agarrada às orelhas, como se sofresse de otalgia crónica colectiva. E mais doloroso ainda é ter de ouvir conversas alheias, umas íntimas e ridículas, outras comuns e absurdas, por ser isto inerente a um povo que sempre terá sido propenso à tagarelice prolixa. Há anos, alguém disse que o telefone era o símbolo moderno das comunicações que nunca ocorrem. O que não diria hoje...


Entretanto, a confusão depressa se espalha por toda a cabina, e dois terços dos passageiros – quase todos os portugueses a bordo – estão de repente de telemóveis em punho, confrontando comissários e hospedeiras com o direito «efectivo» e a necessidade «incontornável» que também eles têm de se servir dos aparelhos. O outro terço é estrangeiro, que só se apercebe do que está a passar-se quando o pessoal de cabina é forçado a intervir. Alguns quase entram em pânico, julgando tratar-se de um acto terrorista. Quando se acalmam, já os portugueses se juntaram em grupos e se lançam numa ruidosa discussão em que todos falam ao mesmo tempo, cada um para seu lado. A verdade é que ninguém quer ouvir ninguém. A intenção é apenas a de sobrepor a sua voz à do vizinho e ouvir-se lautamente. «Se aquele pôde também nós havemos de poder, lá por estar bem vestido julga-se o quê, também somos gente, estes gajos fazem o que querem e lhes apetece e espezinham os outros a toda a hora.» Quase todos os protestos soam no mesmo tom. Mero alarido.

É a coscuvilhice lampeira e a maledicência afiada.

Só duas vozes portuguesas manifestam alguma apreensão quanto à segurança da aeronave. Tomados pelo frenesi que a discussão gera, dois passageiros recalcitrantes avançam decididos a usar os telemóveis, mas são prontamente demovidos do intento por dois comissários. O confronto físico é iminente, e o comandante faz entretanto um ultimato. Ou a normalidade é de imediato reposta para que o voo possa prosseguir, ou ele fará meia volta e regressará a Roissy, para requerer a intervenção das autoridades e apresentar queixa por infracção grosseira às regras de segurança aérea. No mesmo instante todos se sentam, e os telemóveis desaparecem. Mas a mesma lamúria vai manter-se em surdina até Lisboa. «Afinal não aconteceu nada ao avião, são só patranhas que nos impingem para fazer de nós camelos.»

É a cobardia assarapantada a vergar-se à ameaça intimidatória, e a sujeição rasteira a submeter-se à autoridade inquestionável.

Os protestos lamurientos prosseguem como um disco riscado, dando voz a uma muito lusa flebilidade confrangedora. Ninguém acrescenta à disputa nada que interesse. Pouco depois, com os ânimos já mais calmos, chega-me aos ouvidos uma observação sussurrada que me soa surreal, de tão absurda, rebuscada e inacreditável. Mas era o que alguém estava naquele momento a pensar. E disse-o. «Se o telemóvel provocasse mesmo a queda do avião e pelo menos um de nós, por milagre que não seria inédito, sobrevivesse, havia de dizer que só por um grande azar é que o avião tinha caído.»

É o fatalismo, a omnipotente pouca sorte que faz baixar braços, resigna à acomodação e à indolência e iliba de responsabilidades.»

RIC

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Llovía sobre Santiago de Chile…


Missing is a 1982 film directed by Costa Gavras, starring Jack Lemmon, Sissy Spacek, Melanie Mayron, John Shea and Charles Cioffi.
It is based on the true story of American journalist Charles Horman, who disappeared in the bloody aftermath of the Chilean coup of 1973 that deposed President Salvador Allende.
It depicts Horman's father and wife searching in vain to determine his fate. The film is based on a book first published under the title The Execution of Charles Horman: An American Sacrifice (1978) by Thomas Hauser, which was later republished under the title Missing in 1982. The score is by the Greek electronic composer Vangelis.
Missing won the Academy Award for Writing Adapted Screenplay, and was nominated for Best Actor in a Leading Role (Jack Lemmon), Best Actress in a Leading Role (Sissy Spacek) and Best Picture.
The film won the 1982 Palme d'Or (Golden Palm) at the Cannes Film Festival.
Missing was banned in Chile during Pinochet's regime.

(From Wikipedia)

Reading through some texts on the subject, I came across these paragraphs in Portuguese that speak so truly of the world we've been living in ever since the outbreak of Cold War.
As to nowadays, I believe we'd just have to make some little changes…

«Se, a 11 de Setembro de 2001, todos quisemos ser nova-iorquinos, é bom que, por isso, não deixemos de ser chilenos.
Chilenos teremos passado todos a ser, se não desde 1970 com a eleição de Salvador Allende, pelo menos desde que, numa terça-feira 11 de Setembro, no ano de 1973, no mesmo dia em que, em Nova Iorque, se inauguravam as gémeas torres do World Trade Center, aviões atacaram o Palácio de la Moneda e bombardearam o sonho da liberdade, da democracia e do socialismo, e suicidaram Allende.
»

Salvador Allende

If, on September 11th, 2001, we all wanted to be New-Yorkers, it is important that, for that reason, we won't stop being Chileans.
We all will have become Chileans, if not since 1970 after the election of Salvador Allende, at least since that Tuesday, September 11th, in the year of 1973: on that very same day when the twin towers of the World Trade Center were being inaugurated in New York, airplanes were attacking the Palace of la Moneda and bombing a dream of freedom, democracy and socialism. Allende «was being suicided»
.

Let's not forget, shall we?

RIC

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

The World and I...

There's no such thing as noncommunication.
It seems my «universal Babylon» here has been proving this motto of mine with more and better evidence each and every day.
It does feel great to know you're an inherent part of something that's happening simultaneously everywhere in the world.
Is this blog cosmopolitan or what?
Check out the following list and try to find the nearest name to your home place. Enjoy this quick journey around the world!


Africa

Morocco: Casablanca
Algeria: I-n-Salah
Tunisia: Tunis
Egypt: Alexandria, Asyut
Cape Verde: Praia
Senegal: Dakar
Ghana: Kumasi
Nigeria: Lagos
Kenya: Nairobi
Angola: Luanda
Mozambique: Maputo, Nampula
South Africa: Cape Town, Johannesburg, Pretoria
Mauritius: Port-Louis

Americas

Canada: Calgary, Gaspé, Halifax, Montréal, Ottawa, Port au Port/Stephenville, Québec, Regina, Saint John, Sault Sainte Marie, Toronto, Vancouver, Winnipeg…

USA: Alaska, Arizona, Arkansas, California, Colorado, Connecticut, District of Columbia, Florida, Georgia, Hawaii, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Louisiana, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, Missouri, Montana, Nebraska, Nevada, New Hampshire, New Jersey, New Mexico, New York, North Carolina, Ohio, Oklahoma, Oregon, Pennsylvania, Rhode Island, Tennessee, Texas, Virginia, Wisconsin, Washington, Wyoming…

Mexico: Guadalajara, Hermosillo, La Paz, Mazatlán, Mérida, Mexico City, Monterrey, Tijuana, Villahermosa

Bermudas: Hamilton
Puerto Rico: San Juan
Bahamas: Nassau
Jamaica: Kingston
Dominican Republic: Santo Domingo
Martinique: Fort-de-France
Aruba: Oranjestad
Guatemala: Guatemala
Costa Rica: S. Jose
El Salvador: San Salvador
Nicaragua: Managua
Panama: Colon, Panama City
Colombia: Antioquia, Bogotá
Venezuela: Caracas, Maracaíbo
Ecuador: Quito
Peru: Arequipa, Chiclayo, Lima
Bolivia: La Paz, Santa Cruz de la Sierra
Paraguay: Asunción
Uruguay: Montevideo
Chile: Antofagasta, Punta Arenas, Santiago, Valparaiso, Viña del Mar

Argentina: Bahía Blanca, Buenos Aires, Corrientes, Mar del Plata, Mendoza, Mercedes, Rawson, San Miguel de Tucuman…

Brazil: Acre, Amazónia, Bahia, Brasília, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins…

Asia

Russia: Yekaterinburg
Turkey: Ankara, Burdur, Istanbul
Cyprus: Nicosia
Israel: Haifa, Jerusalem, Tel Aviv
Iraq: Basra
Iran: Isphahan, Teheran
Saudi Arabia: Jeddah, Riyadh
Dubai
Muscat
Qatar/Bahrain
India: Ahmadabad, Amritsar, Cuttack, Indore, Madras, Mumbai
Thailand: Krung Thep
Vietnam: Hanoi, Ho Chi Minh City
Singapore
Malaysia: Kuala Lumpur, Sibu
Brunei: Bandar Seri Begawan
Indonesia: Bali, Jakarta, Ujung Pandang
Philippines: Cebu, Davao, Manila
Taiwan: Taipei
China: Beijing, Chunking, Hong Kong, Macao, Shanghai, Zhenzhou
South Korea: Seoul
Japan: Kobe, Kyoto, Naha, Osaka, Tokyo

Europe

Austria: Vienna
Belgium: Antwerp, Brussels, Gent, Laarne, Liege, Mechelen, Namur…
Bulgaria: Sophia, Burgas
Czech Republic: Prague
Denmark: Arhus
Finland: Helsinki, Oulu
France: Avignon, Dijon, Grenoble, Lyon, Marseille, Metz, Montpellier, Nancy, Paris/Île-de-France, Reims, Rennes, Toulon…
Germany: Berlin, Halle, Hamburg, Hannover, Munich, Münster, Stuttgart…
Greece: Athens
Hungary: Budapest
Iceland: Reykjavík
Ireland: Dublin, Limerick
Italy: Bari, Cagliari, Milan, Naples, Palermo, Rome, Turin, Venice…
Latvia: Riga
Lithuania: Vilnius
Luxembourg: Dudelange
Macedonia: Skopje
Malta: Valetta
Netherlands: Amsterdam, Lelystad, Utrecht, Zutphen…
Norway: Oslo, Stavanger, Tromsø
Poland: Gdansk, Katowice, Warsaw
Portugal, Azores & Madeira
Romania: Bucharest, Cluj, Pitesti, Timisoara
Russia: Moscow, Saint Petersburg
Slovenia: Ljubljana
Spain & Canary Islands
Sweden: Gothenburg, Stockholm, Uppsala
Switzerland: Aargau, Basel, Geneva, Lugano, Vaud, Zurich…
Ukraine: Dniepropetrovsk
United Kingdom: Cardiff, Coventry, Edinburgh, London, Manchester, Portsmouth, Southampton…

Oceania/Australasia

Australia: Adelaide, Alice Springs, Brisbane, Canberra, Melbourne, Perth, Sydney
New Zealand: Auckland, Christchurch
New Caledonia: Nouméa

… Have you found it? I do hope so! If not, I'm entirely to blame. I may have overlooked one of those red spots, you know… Lol!
I thank each and every one of you so very much for being an inherent part of this too!

RIC

domingo, 9 de setembro de 2007

Gabriel García Márquez

«Muchos años después, frente al pelotón de fusilamiento, el coronel Aureliano Buendía había de recordar aquella tarde remota en que su padre lo llevó a conocer el hielo. Macondo era entonces una aldea de 20 casas de barro y cañabrava construidas a la orilla de un río de aguas diáfanas que se precipitaban por un lecho de piedras pulidas, blancas y enormes como huevos prehistóricos. El mundo era tan reciente, que muchas cosas carecían de nombre, y para mencionarlas había que señalarlas con el dedo.»

Cien Años de Soledad

Assim começa a narrativa que projectou «Gabo» (de seu nome completo, Gabriel José de la Concordia García Márquez) para o mundo.
A história decorre num povoado chamado Macondo, fundado por José Arcádio Buendia que deixou Riohacha e a sua mulher, Úrsula Iguarán, por ter matado um homem num duelo. Tinham-se casado apesar de serem primos. Um precedente indicava que de um casamento em que houvesse laços familiares poderia nascer um filho com cauda de porco, mas por sorte tal não aconteceu. Tiveram três filhos, e assim se inicia a história da família Buendia, a primeira geração que García Márquez começa por descrever.
E logo surge uma personagem chamada Melaquíades, um cigano de múltiplos conhecimentos intelectuais, que afirmava possuir as chaves de Nostradamus, razão pela qual deixa escrito a José Arcádio um pergaminho que passa pelas seis gerações sem que tenha sido possível decifrá-lo.
Apenas o último Aureliano, com quem se cumpriria o mito de que o filho de familiares nasceria com cauda de porco e seria comido pelas formigas, pôde revelar as chaves com que estava escrito aquele pergaminho. Este continha nada menos que a história da família ordenada no tempo e no espaço, mas escrita cem anos antes.
Foi há cerca de trinta anos que fui fulminado e fiquei fascinado por esta fantástica história, narrada na saborosa prosa do brilhante colombiano que, apenas alguns anos depois, receberia o Prémio Nobel da Literatura.
Se acaso não leram ainda o empolgante romance que é Cem Anos de Solidão, estão muito a tempo! No passado dia 5 de Junho comemoraram-se os quarenta anos da sua publicação.
Eu reli passagens há uns anos, mas creio que lhe vou pegar de novo e levar a leitura do princípio ao fim. Para mim, será decerto outra história, bem diferente daquela que conheci no início da idade adulta…

«Als Gregor Samsa eines morgens aus unruhigen Träumen erwachte, fand er sich in seinem Bett zu einem ungeheuren Ungeziefer verwandelt.»

Franz Kafka, Die Verwandlung

«Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se na sua cama metamorfoseado num insecto monstruoso.»

Franz Kafka, A Metamorfose

Mal haveria Franz Kafka de imaginar que, alguns decénios depois de o seu amigo Max Brod lhe ter salvado a obra (que Kafka queria destruída após a sua morte), um jovem colombiano se encantaria com aquelas palavras, faria delas um projecto e criaria uma brilhante escola literária que, por sua vez, viria a encantar milhões de leitores por todo o mundo! E a ter representantes tão ilustres como o argentino Jorge Luis Borges ou o cubano Alejo Carpentier!

O realismo mágico desenvolveu-se fortemente nas décadas de 60 e 70 como produto de duas visões que então conviviam na América Latina: a cultura da tecnologia e a cultura da superstição; tendo também surgido como reacção, pela palavra escrita, contra as ditaduras. Pode definir-se como a preocupação estilística e a necessidade intelectual de mostrar o irreal ou estranho como algo quotidiano e comum. Não se trata de uma expressão literária mágica: a sua finalidade não é a de suscitar emoções, mas sim de melhor as expressar e é, sobretudo, uma tomada de atitude para com a realidade.

(Para todos os detalhes sobre a vida e a obra do escritor, queiram socorrer-se, por exemplo, da Wikipédia. Nunca vi tantas páginas em tantas línguas apenas em nome desta popular enciclopédia e apenas relativas ao escritor! Impressionante!)

Dedicado aos amantes do realismo mágico latino-americano (e só deste!).

RIC

sábado, 8 de setembro de 2007

Historical eye candy?...


Buste d'Antinoüs, dit Antinoüs d'Écouen
Hauteur: 74 cm
XVIIIe siècle
Musée du Louvre, Département des Antiquités grecques, étrusques et romaines

Pulchra sunt quæ visa placent.
São Tomás de Aquino, Summa Theologica
Belas são as coisas que, ao serem vistas, agradam.
Beautiful is what pleases the eye.


Antínuo hoje?… Antinous today?…

Pulchre, bene, recte!
Horácio, Ars Poetica
Belo, bem, perfeito!
Beautiful, well, perfect!


Antinous's torso, called Antinous of Ecouen
Height: 74 cm
18th century
Louvre Museum, Department of Greek, Etruscan and Roman Antiquities

Iuventa viribus pollet.
Erasmo de Roterdão, Adagia
A mocidade tem muita força.
Youth is very strong.

Enjoy your Sunday lavishly, if you please!

RIC

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Do erótico…

«L'endroit le plus érotique d'un corps n'est-il pas là où le vêtement bâille? […] Celui de la peau qui scintille entre deux pièces (le pantalon et le tricot), entre deux bords (la chemise entrouverte, le gant et la manche); c'est ce scintillement même qui séduit, ou encore: la mise en scène d'une apparition-disparition.»

Roland Barthes, Le plaisir du texte

Não é o lugar mais erótico de um corpo o ponto em que o vestuário se entreabre? [Na perversão, não há «zonas erógenas». É a intermitência, como muito bem o disse a psicanálise, que é erótica:] a da pele que cintila entre duas peças (as calças e a camisola), entre duas margens (a camisa entreaberta, a luva e a manga). É essa própria cintilação que seduz, ou ainda, a encenação de um aparecimento-desaparecimento.

Roland Barthes, O Prazer do Texto

… O que esconde é, pois, o que mostra…



«L'érotisme est l'accélérateur du désir et non sa décharge.
Il n'est pas non plus dans la suggestion de la transparence, ni dans la réduction du textile (du bikini à la minijupe).
Il est dans l'oscillation (le scintillement dit Barthes) entre le montrer et le cacher, l'apparaître et le disparaître.
Ici, il ne s'agit pas d'apprivoiser l'angoisse de la disparition, mais de stimuler l'excitation dans la concentration du désir au point où son objet se montre dans son éphémérité.»

Commentaire «nétique»

O erotismo é o acelerador do desejo e não a sua descarga.
Tão-pouco está na sugestão da transparência ou na redução do tecido (do biquíni à minissaia).
Está na oscilação (a cintilação, diz Barthes) entre o mostrar e o esconder, o aparecer e o desaparecer.
Aqui, não se trata de dominar a angústia do desaparecimento, mas de estimular a excitação na concentração do desejo no ponto onde o seu objecto se mostra na sua efemeridade.

Comentário «nético»

«Ce que cache mon langage, mon corps le dit.
Mon corps est un enfant entêté, mon langage est un adulte très civilisé…»

Roland Barthes, Fragments d’un discours amoureux

«O que a minha linguagem esconde, di-lo o meu corpo.
O meu corpo é uma criança teimosa, a minha linguagem é um adulto muito civilizado…»

Roland Barthes, Fragmentos de Um Discurso Amoroso

Traduções de RIC

À tous un excellent week-end!…
A todos um excelente fim-de-semana!…

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Al Grande Luciano Pavarotti!


Il principe ignoto:

Nessun dorma! Nessun dorma!
Tu pure, o Principessa,
nella tua fredda stanza,
guardi le stelle
che tremano d'amore
e di speranza…

Ma il mio mistero è chiuso in me,
il nome mio nessun saprà!
No, no, sulla tua bocca lo dirò,
quando la luce splenderà!

Ed il mio bacio scioglierà il silenzio
che ti fa mia.

Voci di donne:

Il nome suo nessun saprà…
E noi dovrem, ahimè, morir, morir!

Il principe ignoto:

Dilegua, o notte!
Tramontate, stelle!
Tramontate, stelle!
All'alba vincerò!
Vincerò!
Vincerò!

Giacomo Puccini, Turandot, atto III.

The Prince:
Nobody shall sleep!… Nobody shall sleep! Even you, o Princess, in your cold room, watch the stars that tremble with love and with hope.
But my secret is hidden within me, my name no one shall know… No!… No!… On your mouth I will tell it when the light shines.
And my kiss will dissolve the silence that makes you mine!…

The Chorus of women:
No one will know his name and we must, alas, die.

The Prince:
Vanish, o night! Set, stars! Set, stars! At dawn, I will win! I will win! I will win!

I most surely had something else in mind for today…
At dawn it was.
He won.
Over death law.
As Camões so well put it some centuries ago, he «has freed himself from death law».
He is immortal now.

R. I. P.

RIC

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Em data de aniversário...

«Tive um dia a sensação – única em toda a minha vida – cortante como o gume afiado de uma faca a escorregar, ao de leve e como esquecida, por entre os dedos, que o mundo ia desabar sobre mim ou que o meu mundo estaria prestes a desmoronar-se. Uma notícia. Meia dúzia de palavras. O Diogo estava gravemente doente, e a sua vida estava seriamente ameaçada. Fiquei paralisado. Lembrei-me de imediato das suas palavras de muitos anos antes. Não terei uma vida longa.

Era Verão, mas um suor gelado aflorou-me a pele de todo o corpo, escorreu-me das têmporas e deixou-me as mãos enregeladas. Procurei a todo o custo minimizar a gravidade da situação. Escamoteei-a sem perceber o que fazia e quase cheguei a convencer-me de que tudo se recomporia apenas porque era esse o meu desejo. Mas a realidade não se compadece dos truques que arquitectamos para ver os nossos mais acérrimos desejos concretizados. A saúde do Diogo foi-se deteriorando, um processo lento, muito lento, que se arrastou por quase um ano e meio. Aos poucos, a debilidade foi-se acentuando e, por fim, o Diogo era já só uma sombra de si próprio.

Consciente da irreversibilidade da doença, de que o fim estava aprazado e revelando uma descomunal força anímica, foi conseguindo lidar com as recaídas que progressivamente o foram diminuindo até o deixarem quase inválido. Os tratamentos conjugados com as medicações variáveis atiravam-no com frequência para um terrível desespero e um sofrimento insuportável. O álcool, que até então fora apenas uma companhia nos momentos de convívio, passou a necessidade diária. Embora soubesse que não devia beber, pelo menos não daquele modo, o Diogo tinha sobre esse facto ideias tão claramente feitas que nenhum de nós, por muito que quisesse e tentasse, conseguia dissuadi-lo da sua certeza. E estranhamente, por mais que bebesse ao longo do dia, jamais o vi embriagado.

Continuámos a conversar ainda e sempre noite adentro sobre tudo o que nos interessava e distraía. Sabíamos ambos que o fim se aproximava a passos largos, mas nunca tocámos no assunto. Eu não conseguia e ele, creio que não queria. Quando o sofrimento inevitável passou a ser a constante dos dias e das noites, manteve ainda assim um comportamento heróico e uma atitude de tal modo digna que poucos foram os que se terão então realmente apercebido da gravidade terminal do seu estado.

Por essa época, um congresso profissional obrigou-me a uma deslocação a Veneza. Pressenti que aquele não era o momento certo para viajar, muito menos para Veneza. Num final de tarde cheguei à cidade por descobrir. Não era o progressivo esbatimento das cores, dos contornos, dos volumes dos edifícios que a mantinham arredia à natural curiosidade do recém-chegado. Aliás, tudo nela era identificável, ainda que sob um céu violáceo, com vastas e cada vez maiores nuvens cor de chumbo. Quem não reconheceria, nem que fosse apenas por um simples pormenor, tudo o que mostravam alguns filmes rodeados da aura de um inquietante mistério que naturalmente se soltava das pedras, das águas, pairava no ar e tudo envolvia?

Claude Monet - «Crépuscule à Venise»

Ao pôr o pé em terra firme, a luminosidade era ainda suficiente para reparar nas águas não muito limpas, por sobre as quais chegara. O trajecto seguinte foi obrigatório. Primeiro, entre um edifício e as águas do canal, por um estreito corredor, avançava uma massa compacta de gente, apenas se vislumbrando o que se encontrava mais distante. Ao perto, apenas se via a mole humana em movimento. Depois, aquela multidão desaguou numa praceta que seria insignificante, não fora o imponente palácio à direita, o dos Doges. Não tanto pela volumetria, mas porque sendo de uma pedra branca quase translúcida, parecia esvair-se nas tonalidades crepusculares que depressa se iam inclinando para o negro. O campanário, esse fundira-se já com a escuridão nocturna que, entretanto, se apoderara de tudo. A noite caíra pesada sobre aquelas pedras, e os candeeiros acenderam-se. De início, projectavam uma luz arroxeada que pouco ou nada iluminava. Apenas ensombrava o espaço em volta com um mistério ainda maior. Do nada foi-se desprendendo uma estranha inquietação que preencheu todos os recantos escusos de um silêncio embalado pelo tranquilo vaivém das águas, sempre próximas. Lentamente, a iluminação tornou-se azul, e os olhos foram-se habituando à soturnidade que aquela luz criava.

Em Agosto, a temperatura exterior era indiferente ao frio intenso que parecia vir do fundo da alma para se apoderar de todo o corpo. Aqui, a noite deve ter sido sempre assim, pensei. Após a travessia da praceta, onde alguns pararam para contemplar a espécie de colunata que circunda aquele estranho edifício, a multidão dissolveu-se como por magia na grandiosidade faustosa, quase oriental, daquela praça, a de S. Marcos, de piso inquietantemente irregular. Tive a sensação perturbadora – ou o pressentimento insustentável – de que o chão se abriria a qualquer instante, para tudo ser silenciosamente, secretamente tragado.

Havia alguma animação nos cafés cheios de História que ocupam as arcadas da praça. Os solos virtuosísticos de violinos barrocos, alegres quase sempre, opunham-se com violência ao negrume intimidante daquela praça. O contraste era fortíssimo. Tão forte que foi, uma vez mais, a irrealidade de um mistério por descobrir que tudo dominou. Levara comigo, numa cassete, o Adagietto da quinta sinfonia de Mahler. Por curiosidade, mas também por teimosia, queria voltar in loco às sensações, às emoções, aos sentimentos, quase todos tempestuosos, indefinidos, envoltos em densa bruma, que me haviam sempre abalado, das várias vezes que vi «Morte em Veneza». Foi difícil permanecer concentrado durante aqueles dez minutos. No fim, senti-me dominado por uma tristeza tão intensa, tão poderosa que temi pelo que pudesse acontecer nos instantes seguintes, ainda que tivesse tido o cuidado de fazer aquela experiência musical numa tarde soalheira, que reservei para o passeio solitário. Ao acaso, meti-me num vaporetto que percorria o Grande Canal. De repente, lembrei-me do Diogo. Uma certeza perversa cravou-se-me no espírito e não mais me largou. Amaldiçoei aquela bela cidade, a que nunca mais quis voltar. A cidade do amor é também a cidade da morte. E contra a minha vontade, veio-me à memória a canção-lamento de Aznavour «Que c'est triste Venise».

Quando cheguei a Lisboa, o Diogo estava já bastante mal. Para consultas, tratamentos e exames de rotina, deslocava-se com frequência ao hospital. Com uma vontade férrea mantivera-se inabalável, sem que ninguém o conseguisse demover, em ser internado apenas em caso de absoluta necessidade. Após o meu regresso, passei dois dias em sua casa e, meio a contragosto, tive de fazer o relato exaustivo do que vira em Veneza. Mas consegui calar tudo o que sentira. Pelos seus olhos brilhantes pareciam passar as imagens que iam ilustrando as minhas palavras. Pelo final da tarde, os pais chegavam. Davam-lhe todo o apoio possível e praticamente viviam em função dos cuidados com que o acarinhavam.

Na sexta-feira seguinte, de madrugada, sentiu sérias dificuldades em respirar. Pediu que o levassem ao hospital. Foi de imediato internado. Uma vez mais, quis convencer-me de que se tratava de uma crise séria mas controlável, e alimentei o sonho de que ele a superaria. E uma vez mais, enganei-me.»

(Dedicado à memória do Z. L./Diogo e da minha Mãe, que festejava hoje o seu aniversário.)

RIC