quarta-feira, 26 de setembro de 2007

José Saramago, Literature Nobel Prize

I met him personally some years ago, maybe a few years before he was awarded the Nobel Prize.
He was still living in Lisbon, and the Portuguese Language Society invited him to take part at a meeting with foreign university students, who were attending a summer course of Portuguese language and culture organized by the Society.
He was well-known already; his presence at different events was highly required, but he gladly acquiesced in spending a whole August afternoon with the students and with us teachers. A wonderful afternoon indeed!
He addressed the students mainly about Memorial do Convento, but he also spoke about the book I still like best, exactly the one he told me back then he liked best too. In it Saramago reveals an astonishing, wondrous knowledge of Pessoa's poetic work.


O Ano da Morte de Ricardo Reis – Português
El Año de la Muerte de Ricardo Reis – Español
L'Anno della Morte di Ricardo Reis – Italiano
L'Année de la mort de Ricardo Reis – Français
Anul Mortii lui Ricardo Reis – Română


The Year of the Death of Ricardo Reis – English
Het jaar van de dood van Ricardo Reis – Nederlands
Das Todesjahr des Ricardo Reis – Deutsch
Det år Ricardo Reis døde – Dansk
Det året Ricardo Reis døde – Norsk
Året för Ricardo Reis död – Svenska
Árið sem Ricardo Reis lést – Íslenska


Rok śmierci Ricarda Reisa – Polski
Rok smrta Ricarda Reise – Česky
Год смерти Рикардо Рейса – Русский

Ricardo Reisin kuoleman vuosi – Suomi
Ricardo Reis halálának éve – Magyar

Ricardo Reis'in Öldüğü Yıl – Türkçe

Το έτος του θανάτου του Ρικάρδου Ρεις – Ελληνηκά

Was it emphatic enough or what?!

If you happen – by one of those unexplainable misfortunes in life… – not to have read this great literary masterpiece yet, I strongly advise you to do so as soon as possible… [Laughing out loud!]

Should your problem be the language, I believe you have no admissible excuse anymore, have you now?…

Saramago doesn't need any kind of advertising besides his own work, but this particular masterpiece is a landmark indeed in 20th century Portuguese literature and culture.

Enjoy it lavishly if you please!

RIC

16 comentários:

Bernardo Moura disse...

Ainda agora no "Cartoonices" falei de Saramago, em relação às virgulas!
Espreita e depois percebes!
Abraço

RIC disse...

Olá Bernardo!
Já lá deixei a minha resposta! À letra! Não é nada boa ideia - na minha opinião... - servir de altifalante às barbaridades que certas bestas no poder - que NUNCA leram uma linha de Saramago! - puseram a circular apenas para o caluniar e desfeitear a sua obra!
Vozes de burro não chegam ao céu, é verdade. Mas às vezes chegam... pela força da repetição acrítica!
Um abraço! :-)

Bernardo Moura disse...

Não sei se reparaste mas deixei um smile. Estava a brincar. O blogue "cartoonices" permite essas ironias.
Quanto a Saramago, acho que é um excelente escritor. Não concordo com o que diz por vezes, mas são questões pontuais.
Não imaginei que fosses ficar indignado com uma brincadeira.
Abraço

RIC disse...

Olá meu caro Bernardo!
Calculei que reagisses assim, mas eu percebi a tua intenção. Só não quis perder a oportunidade de desancar uma certa pandilha, mais nada. E tu deste-me o pretexto ideal! Rsrsrs!
Quanto à distinção que fazes, concordo com ela: uma coisa é o homem, outra o escritor. E também compreendo que não concordes com ele... Grandes homens são também humanos e por isso fazem e dizem disparates...
Não estou nada indignado contigo! Fica tranquilo! Eu, às vezes, também gosto de montar o meu teatro com intenções pedagógicas. Só isso!...
Um abraço para ti também! :-)

Catatau disse...

Embora esteja a milhas daquilo que norteia Saramago - em especial a sua arrogância (porventura legítima) - gosto da sua obra. Até porque as referências históricas me seduzem. Mas quem me tira o Lobo Antunes, Ric... :)

RIC disse...

Olá João!
Ainda bem, meu caro, que embora não sejas da área das literaturas fazes essa distinção muito importante entre o homem e o escritor! Parece-me que muitos têm grande dificuldade em fazê-la... Quantos escritores e artistas há cujas pessoas nada me dizem (bem pelo contrário...), mas cujas obras me interessam bastante!
Quanto a Saramago, não estou assim tão distante do homem, mas estou indubitavelmente mais próximo da sua obra - não toda, ainda assim. Mas isso é já uma questão de gosto e interesses pessoais...
Quanto a Lobo Antunes, não te posso «ajudar»... Repito apenas o que li outro dia escrito por alguém que ninguém consideraria mentalmente falho: «Devo ser muito estúpido, porque não entendo nada do que o homem escreve...» É um pouco assim que eu também me sinto... Já as crónicas da «Visão» são outra coisa! Sinceramente, sinto-me sempre perdido no universo literário dele...
Um abraço! :-)

GMaciel disse...

Claro que foste suficientemente enfático!
:)))))

Olá Ric, - que saudades deste canto!!! - confesso que não conheço a obra de Saramago, talvez porque me deixei influenciar pelos seus delatores, sei lá eu, e desenvolvi uma certa alergia pelo homem e o que alegadamente defende. Contudo, um dos meus irmãos - somos cinco... ui, ui - lá me convenceu a ler "O evangelho segundo Jesus Cristo" e capitulei. Talvez também siga o teu conselho e deite a mão a este.
jocas grandes
;)

Ricardo disse...

Oi, meu querido!

Tudo bom ???

Saramago é mesmo um nome muito conhecido! Deve ser uma glória para uma pessoa chegar à idade que chegou com tamanho reconhecimento!

Beijão!

Salty Sailor disse...

"lavishly" is a great word!

RIC disse...

Olá Graça!
Eis um regresso desejado!
Ainda bem que houve um mano com alguma influência sobre a mana! Tudo dependendo das concepções e convicções de cada um, «O Evangelho segundo Jesus Cristo» tanto pode ser um bom como um mau começo. Mas parece que foi bom!
Quanto a mim, há dois que me agradaram menos: «A Jangada de Pedra» e «A Caverna». Mera questão de gosto pessoal, estou em crer.
Quanto a este, só posso desejar que te deixes tentar!...
Beijinhos para ti também!
:-)

RIC disse...

Olá Ricardo!
Tudo bem, sim! E com vocês?
Deve ser uma glória, sem dúvida, sobretudo se atentarmos a um percurso de vida que, muitas vezes, não foi nada fácil e muito menos risonho... Com muitos altos e baixos... Mas creio que é assim que se conhece melhor a vida!...
Abração e beijão! :-)

RIC disse...

Hello Alan!
Long time no seeing! Welcome back!
Yes, «lavishly» is a great English word indeed! I just love it! A lot!
Wish you all the best!
:-)

GMaciel disse...

Ric, apesar das minhas convicções - adianto que sou crente (chamem-me lá ignorante, vá) mas não professo qualquer religião - achei muito interessante o ponto de vista de Saramago e a premissa sobre a qual inscreveu a sua história. Não só não é descabida de todo, considerando os usos e costumes da época de Cristo, como é uma excitante perspectiva mais humana e humanizada de Jesus.

Hummm... creio que é desta que a igreja me excomunga, mas como nunca comunguei fica assim mesmo!
:)
jocas grandes, Ric

RIC disse...

Olá querida Graça!
Nunca vi nem vejo qualquer relação entre fé e ignorância.
(Só para que conste...)
Depois dessa «confissão» sob forma de apreciação literária, o mais certo seria ires parar ao olho da rua - se estivesses lá dentro! Rsrsrs!
Foi por causa de um zelota que o saramago pode ter perdido um prémio europeu com esse romance - que eu adorei! O que não é de estranhar, já que adoro abanar tudo o que é verdade estabelecida e instalada! (Frutos da experiência de vida...)
Pois não, excomungada não podes ser mesmo! Lá se perde um apetitoso escandalozinho! Rsrsrs!
Beijinhos para ti também!
:-)

casccalensə disse...

Checo: "Rok smrta Ricarda Reise"
;)

RIC disse...

Muito obrigado, «Cascalense»! Mais uma língua é sempre bem-vinda!
Só é pena o blogue ser uma espécie de... sociedade secreta?... (Só por convite?)...