quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

O fascínio de «As Origens da Arte»






… diz-nos o seguinte (mesmo tendo corrigido o texto, mantenho as aspas…):

«Uma extraordinária viagem às origens da arte!

Uma série documental em 5 episódios que nos leva numa viagem extraordinária através dos cinco continentes, ao longo de 100.000 anos e nos conta a história como a arte antiga abriu o caminho para aquilo que é o nosso mundo actual.

Acompanhando tudo – da pintura rupestre à cerâmica, das pirâmides aos palácios, dos ícones aos artefactos –, esta excelente série revela a maneira como os humanos sempre fizeram arte, explorando os maiores tesouros do mundo antigo.

Revela ainda verdades universais acerca do modo como foram criadas imagens, combinando história, arqueologia e neurobiologia e também uma história que envolve as artes de África, Austrália, Américas, Próximo e Extremo Oriente, bem como o mundo clássico da Europa Antiga.»




… offers the readers the following summary:

«Programme 1: More Human Than Human…
One image dominates our contemporary world above all others: the human body. "How Art Made the World" travels from the modern world of advertising to the temples of classical Greece and the tombs of ancient Egypt to solve the mystery of why humans surround themselves with images of the body that are so unrealistic.

Programme 2: The Day Pictures Were Born
The discovery of prehistoric cave paintings in the last century led to the shocking realisation that humans have been creating art for over 30,000 years. "How Art Made the World" reveals how the very first pictures ever made were created, and how images may have triggered the greatest change in human history.

Programme 3: The Art of Persuasion
The visual devices used by Tony Blair and George Bush to get themselves elected and maintain power, come not from modern times, but a world that is thousands of years old. "How Art Made the World" ventures back to the creation of Stonehenge and the reign of Alexander the Great to reveal how imagery became an indispensable weapon in every leader's political armoury.

Programme 4: Once Upon a Time
Each year over seven billion people across the world are drawn to see the latest feature films in the cinema. This episode reveals how the most powerful storytelling medium ever created exploits visual techniques invented by artists in the ancient world.

Programme 5: To Death and Back
Today in the 21.st century people see fewer real dead bodies than at any time in history. Yet in the modern world we seem almost obsessed with images of death. In an investigation encompassing ancient Jericho, Aztec America, and classical Italy, "How Art Made the World" discovers what it is that has compelled human beings to surround themselves with images of death for thousands of years.»

Compare and ponder…
Comparem e reflictam…

RIC

16 comentários:

JoeL disse...

This is something I would love to see.

We do get BBC here but it's BBC Canada.

I'll check the listings.

Thanks!?

If I can catch it, maybe we can discuss about it?!

André Benjamim disse...

Tenho visto a série! Pronto! Aqui fica o prometido comentário! E podias retirar essas letras chatas que é necessário escrever para comentar... Abraço, André Benjamim

Tongzhi disse...

Ric, esse programa foi ontem ou será hoje?
Eu tenho tido problemas em ver os blogs e só hoje (10/1) vi o post!

RIC disse...

Hello, dear Joel! How are you?
You're welcome! The series has just started around here on Monday. It's really worth while watching it, and hopefully you'll be able to.
To discuss it would be a great idea indeed!
Wish you the best! :-)

RIC disse...

Ui... Ninguém é obrigado a nada, caro André!... Nem a ver a série, nem a comentar acerca dela... Do mesmo modo que tu não foste obrigado por nada nem ninguém a colocar o link no teu blog...
Quanto a essas letras chatas, elas têm uma função protectora; o mesmo já não poderei dizer da publicidade «intersticial» que abunda no teu blog. Ou não sabes disso?
Um abraço! :-)

RIC disse...

Olá Tongzhi! A série começou na Segunda e será exibida ao longo das próximas quatro, se acreditarmos na programação, é claro...
Eu quis escrever na própria Segunda, mas dei de caras com a pobreza franciscana da informação do site da 2:, pelo que tive de adiar a edição.
Um abraço! :-)

Lampejo disse...

Parece-me ser uma programa interessante, bem ao estilo da 2.

RIC disse...

Olá Lampejo! É verdade, bem ao estilo da 2: e - melhor ainda - com a garantia já «histórica» das séries culturais da BBC.
Um abraço!

The Thunderbird disse...

Sounds good. Will eventually catch it as such series are repeated so as to make it easy to catch. Snow storm last night...

Catching up on my links to other's sites. Doing a custom avitar for each persson. Waynes came out very nice and funny, i think.

RIC disse...

Hello Will! Snow storm in Seattle, and Ric with a cold in Lisbon... My throat aches as hell... Burning like fire!
The series is great, as you can imagine.
That's a good idea, Will! I wasn't feeling very comfortable being the only one there shining like Las Vegas neon lights... (Lol!) Moreover, I don't like LV. But I like the link!
Do a nice work, if you please! :-)

The Thunderbird disse...

Oh I did a good job for him. He is a charmer, and has a kind heart, and his art is pleasing to me. All irresistible traits, to my personal sensibilities. W/O a good heart, no amount of money (I am sooooo NOT impressed by blowhards bragging about money and position), power (ditto), looks, or talent compensates. The meek shall inherit the earth, so one should always seek them out and honor them.

Five inches of snow now. Just was outside. Kev is my next target. He said he fancies Kiwi fruits, but it must be a memorable image.

Sorry you are sick! Rest, relax, Vitamin “C”, and no smoking!!! Lemon and honey, too!

The Economist had an article on the history of preserved meats and it had a big section on Portugal and Cod.

I know you do not like these e-mail like posts. I have not done one for a long time and will not repeat this offense for a long time. Xoxox

Oh, finished my “It’s Raining Men” collage and posted it on my iste. The “Gay Street” sign came from Kevin.

RIC disse...

I had already checked your blog, Will, by the time you wrote this «e-mail»...
Thank you for that info on «The Economist». In a few years, codfish will be past history among us, I guess...
Careful with the snow! :-)

tiago lila disse...

também me dói a garganta! :/ tenho de voltar a prestar mais atenção à televisão, de vez em quando, POR OS VISTOS (lol), passam alguma coisa que vale a pena. ;) e, já agora, as letrinhas servem que função? é que, não fosse máximo o prazer de fazer um comentário no teu blog (:p), as letrinhas arruiná-lo-iam um pouco (principalmente, porque, à primeira, me engano quase sempre...neurologically impaired? thought so!)

RIC disse...

Deuses, Tiago, tu és... impressivo, mas não assim tanto que me impressiones... :-)
É verdade, alguma - pouca - televisão por vezes surpreende-nos ainda...
Passadas umas boas horas sobre essa das dores de garganta, já está tudo quase normal, graças a uns valentes copos.
Quanto às letrinhas, desde Julho são as primeiras queixas. Se me convecerem de que elas não servem de facto para nada, retiro-as. Tão simples quanto isso... Mas nunca ninguém me disse que não comentava aqui por causa delas...
Às vezes, noutros blogues, também me engano, mas não me sinto nada diminuído por isso...
Sensibilizou-me essa de ser «máximo o prazer de fazer um comentário» aqui! Agradeço do fundo do coração!
Um abraço!

pinguim disse...

Perdi o primeiro, por razões óbvias...e detesto ver uma série amputada, mesmo que sejam episódios estanques.
De qualquer forma vou tentar espreitar na próxima 2ª.feira.
Quanto às letrinhas, também não me aquece ou arrefece, mas que me engano muito na primeira, é um facto.
Abraço

RIC disse...

Olá João! Esta é mesmo uma daquelas séries em que até a «ordem dos factores» é arbitrária... Aliás, estou em crer que a 2: alterou a ordem apresentada no site da BBC. Logo verei na próxima Segunda.
Quanto à «novela das letrinhas» (!), não creio que nos enganemos todos à primeira; é capaz mesmo de ser uma deficiência do sistema...
Um abraço amigo!