sexta-feira, 30 de março de 2007

«Lisboa»

Lisboa com suas casas
De várias cores,
Lisboa com suas casas
De várias cores,
Lisboa com suas casas
De várias cores...

À força de diferente, isto é monótono.
Como à força de sentir, fico só a pensar.

Se, de noite, deitado mas desperto,
Na lucidez inútil de não poder dormir,
Quero imaginar qualquer coisa
E surge sempre outra (porque há sono,
E, porque há sono, um bocado de sonho),
Quero alongar a vista com que imagino
Por grandes palmares fantásticos,
Mas não vejo mais,
Contra uma espécie de lado de dentro de pálpebras,
Que Lisboa com suas casas
De várias cores.

Sorrio, porque, aqui, deitado, é outra coisa.
A força de monótono, é diferente.
E, à força de ser eu, durmo e esqueço que existo.

Fica só, sem mim, que esqueci porque durmo,
Lisboa com suas casas
De várias cores.

Álvaro de Campos


My dear blogger friends,

Instead of photos I give you today two reproduced paintings of an artist, whose work I cherish a lot − Carlos Botelho.

And whenever I read this poem by Fernando Pessoa I remember Botelho’s paintings… And vice-versa... And I feel very happy...

I hope you can find a fine translation to «Lisbon with its houses of various colours»... Enjoy it!



RIC

19 comentários:

Tongzhi disse...

Se me permites vou aqui introduza outro aspecto sobre Lisboa, da autoria de Carlos Dias e César de Oliveira. Diria que são os cheiros de Lisboa

Lisboa já tem sol mas cheira a lua,
Quando nasce a madrugada sorrateira
E o primeiro eléctrico da rua
Faz coro c'oa chinela da Ribeira.

Se chove, cheira a terra prometida,
Procissões têm cheiro a rosmaninho.
Na tasca da viela mais escondida,
Cheira a iscas (com elas) e a vinho.

Um craveiro numa água furtada,
Cheira bem, cheira a Lisboa!
Uma rosa a florir na tapada,
Cheira bem, cheira a Lisboa!
A fragata que se ergue na proa,
A varina que teima em passar,
Cheiram bem porque são de Lisboa,
Lisboa tem cheiro de flores e de mar!

Lampejo disse...

Gostei do poema (a mensagem diz-me muito) e das reproduções de Lisboa.
Bom fim-de-semana.
Abraço.

pinguim disse...

Que belo casamento, tendo como cenário Lisboa: Fernando Pessoa e Carlos Botelho.
Abraço.

The Thunderbird disse...

Hi Ricky, Welcome Back!

Gray disse...

That is both beautiful and - to me, at least - sad.

"...I, sleep and forget that I exist." That's me. Sometimes I wish I could sleep forever; but then, if I did, I would miss the beautiful "houses of many colors" in Lisboa and elsewhere!

Bernardo Moura disse...

Excelente poema de Pessoa.
Abraço
Bom fim-de-semana!

carioca disse...

Você voltou!!!
Que bom! Espero que agora tenha voltado de vez!
Grande abraço pra você.

RIC disse...

Caríssimos amigos!
A todos, muito obrigado!
O regresso não é ainda definitivo, mas o desejo de permanecer em contacto e sintonia é maior que tudo! Ou, pelo menos, é muito forte.
A vossa atenção a este meu espaço é o motor que me faz estar de novo aqui, dentro das ainda precárias circunstâncias em que me encontro.
Espero e desejo que estejam todos bem e que em breve eu regresse em pleno. Estes éditos têm sobretudo uma função fática: destinam-se a manter o contacto entre todos nós.
Tenho dado uma vista de olhos aos vossos blogues, ainda que só me manifeste em alguns, ocasionalmente. Acredito que me compreenderão e não pensarão que estou a discriminar seja quem for. Manifesto-me «conforme calha»...
Saudosos abraços para todos!
Muito obrigado pela vossa amizade, atenção e carinho! Após dois meses de chumbo, sabe muito bem chegar aqui e verificar que estas relações «néticas» são bem mais que virtuais... Que há laços que resistem aos silêncios impostos pelos desconchavos da vida...
Obrigado e tudo de bom para todos!

To WILL and GRAY:
Hello, my good friends! Thank you so very much for your most kind words! I hope and wish everything is fine with you both! I've missed you a lot! My best regards to the Pacific shores of Washington and Southern California!
Thank you and friendly hugs!

Ricardo

Shadow disse...

Um único adjectivo: belo!

Votos de um excelente Domingo.

Beijinho :-)

leone disse...

Hi Ric
Nice to see you back again!! Those paintings are very much like L.S Lowry's work - a Manchester artist from many moons ago and who has a centre named after him in his hometown.

Minge disse...

Delicious!

Kapitano disse...

There is a similarity in style between Lowey and Botelho (who's work I have never seen before), but I think Lowry's paintings are more about industrial grime and dehumanisation - the downside of the industrial revolution.

Botelho's brighter colours and attention to what makes buildings and people different from one another, as opposed to Lowry's homogenisation, to me make his work more...hopeful, less despairing or defeated.

(Hey, I am supposedly qualified to be an art critic!)

Good to have you back, Ric.

Lover disse...

Caso para dizer, Amazing... Primeiro, pelas excelentes pinturas que colocaste e porque retratam tão fielmente a minha Lisboa, permite-me que a chame assim porque aí nasci e ao ler o poema do ilustre Álvaro de Campos, não podia deixar de recordar a terra onde eu nasci. Há muito que não te visitava, espero voltar agora mais vezes, pois já coloquei teu link no meu blog. Abração...

Bernardo Moura disse...

Caro Ric,
Espero que tenhas uma excelente Páscoa!
Grande abraço

Shadow disse...

Ric,
Votos de uma boa Páscoa.

Abraço saudoso :-)

Bernardo Moura disse...

Caro Ric,
teria muito gosto que visitasses este blog http://humorantigo.blogspot.com
Grande abraço

The Thunderbird disse...

I send my love to you Ricky!

The Brian disse...

These are beautiful. Thanks for sharing.

leone disse...

Kapitano - I agree with what you say in terms of subject matter. However, I think that both artists painted what they saw in their own lives. Had Lowry lived in Bothelo's enviroment I guess that his work would be very very similar and visa versa.

This is from a 'style' perspective rather than theme which I suggest is a product of enviroment.

God, this is getting heavy - ha ha. Hope you know what I mean!

Leone