quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

II. Conversa da treta e paleio moderno…

Felizmente só terei de suportar este descalabro da inteligência nacional apenas mais uns dias… Depois, não terei de a ver. Posso voltar à minha torre de marfim...
Se me obrigassem a aturar este desvairo por mais tempo, juro que tudo faria para contrariar este meu atavismo de ficar aqui – quedo e mudo – e tentaria, finalmente, a minha sorte na emigração.
Já não há c… que aguente tanto disparate junto nos debates, nas sessões de esclarecimento, nas conversas informais, nos apontamentos noticiosos, nos mil e um éditos que há não sei quanto tempo já estou fartíssimo de ler neste, naquele e naqueloutro blogue… Basta!
Por todos os deuses juntos! Para quê?! Para rigorosamente NADA!
Como a capacidade persuasiva ronda o zero (já que os argumentos são sempre menos racionais – leia‑se entendíveis – e cada vez mais desesperados), na sua vasta maioria quem acha que sim, fica‑se pelo sim, quem acha que não, fica‑se pelo não… Curioso, não é?


"Ah portugueses, só vos faltam as qualidades!"

Almada Negreiros

Um referendo, tendo que ver apenas com a consciência de cada um, deveria estar ao abrigo deste descalabro folclórico e cretino das "campanhas eleitorais".
Deveria ser proibido sermos obrigados a assistir a tal pornografia/escropragia televisiva.
Abomino a estupidez e, mais ainda, quem e tudo o que a promove!
A nossa Constituição, já que não nos salva de uma Assembleia que se demite – convenientemente – de nos representar, deveria, ao menos, salvaguardar‑nos destes momentos tétricos a que não temos como fugir.
Estou já farto de ouvir tanto disparate junto! De parte a parte. E, perdoem‑me os mais jovens, mas os argumentos aduzidos são a prova provada de que nós, portugueses, continuamos de todo a não saber pensar. Bem pelo contrário! Pensa‑se em Portugal como se joga futebol – remata‑se e… logo se vê.
Se a História não me provasse cabalmente o contrário, diria que somos um povo incomensuravelmente estúpido. E eu seria um dos estúpidos.
Mas, pelos vistos, fazemos finca‑pé em permanecer – orgulhosamente sós – na cauda da Europa.
Então está bem! Se é assim que queremos, então depois não nos queixemos. Tudo o que não presta tem custos avultados… Ou isto é ainda novidade para alguém?

RIC

26 comentários:

Bernardo Moura disse...

De facto tens muita razão no que dizes. Porque é que somos obrigados a ouvir tanto disparate?
Não é a esta altura do campeonato que as pessoas vão mudar a sua posição para quê este cilindranço de opiniões às 19:00 em todos os canais até ao dia 11.
Bolas!
P.S.: Bem, temos de respeitar a opinião de todos.Mas não nos obriguem a ver pessoas a fazer discursos falsos só porque "é bem".
Poupem-nos.

MrTBear disse...

Concordo que se exagera na argumentação e que o respeito pelo outros e sensatez estão arredados.
Não concordo que não se deva discutir. Não concordo que não se deva argumentar.
Mesmo que seja uma questão de "consciência".

Karla disse...

Excelente post.
Vai merecer destaque lá no "melhor e mais lindo blog de portugal" ... eheheh (A modéstia, fica sempre bem.)

E já agora, também teve destaque o teu comentário ao Gandhi. :-)

Beijinhos

Tongzhi disse...

Concordo com o que dizes. Mas não posso deixar de perceber, também, a posição do Mr TB. Discutir é, de facto preciso... mas eu não tenho "cu " (desculpa a má palavra) para isso. Assim, quando "eles/elas" começam a falar... mudo de canal!

Joao Manuel disse...

Quando um governo que se revela tão autista e autoritário, opta por fazer matéria de referendo uma questão que já podia estar resolvida em Assembleia...

Catatau

Maurice disse...

Ric,

Deixa lá... podes sempre dedicar-te à leitura do blogue "Maurice", onde te garanto que esta discussão não entra! :)

Abraço

RIC disse...

Olá Bernardo! Uma coisa é respeitar opiniões - que não são conhecimento, refira-se de passagem -, outra é eu ser bombardeado com os disparates mais idiotas apenas porque sim. Ah não, nunca suportei! Não é agora que vou suportar! Não dou para esses peditórios!
Abraço! :-)

RIC disse...

Olá Teddy Bear! Não concordo que se exagera na argumentação, porque pura e simplesmente não há qualquer estratégia racionalmente persuasiva! Fica tudo pelo «acho»... Eu também acho muita coisa e nem por ter este espaço «público» venho para aqui botar sentenças... É tudo uma questão de bom-senso, e nós portugueses seremos tudo menos sensatos...
Acresce o facto de me irritar profundamente a demagogia, o populismo e o caciquismo (que ainda existe, embora disfarçado...)
A democracia vive-se, não se canta nem se dança!
Obrigado! Abraço! :-)

RIC disse...

Olá querida Karla! Bem! É muita honra de uma vez só cá para o Ric!
Muito obrigado! É sempre um privilégio poder trocar ideias com quem gosta e sabe pensar! Esta é parte da minha luta por um Portugal melhor!
Quanto ao «melhor e mais lindo blogue de Portugal», só fica bem a uma sua co-autora louvá-lo. A falsa modéstia é um «valor» salazarento, quanto a mim!
Beijinhos, minha querida! :-)

RIC disse...

Olá Tongzhi! Claro que é necessário discutir! Longe de mim a ideia de negar tal facto! Mas, tal como dizes (e eu também disse), não há cu que aguente porque NÃO se trata de discussões como deveria ser... Por isso mesmo tu e eu mudamos de canal...
Não é assim que se cresce como povo! Mais uma vez, as elites mostram - e provam - que «se estão nas tintas»...
Obrigado! Um abraço! :-)

RIC disse...

Olá João Manuel! Essa é, quanto a mim, a verdadeira questão de fundo!
Nunca, a meu ver, um adjectivo perdeu tão depressa tanto do seu significado: «socialista»... A ponto de se tornar irreconhecível!
Uma vergonha sem medida!
Obrigado!
Um abraço, meu caro! :-)
(Também sou João!)

RIC disse...

Olá Maurice! Acertaste na «mouche», meu caro! É essa mesmo a minha opção: ir ao encontro daqueles que se mantêm arredados destas tretas insuportáveis! Mas eu tinha de dizer alguma coisa!
Ainda hei-de investigar as razões e os motivos que levam tantos portugueses a manterem-se olimpicamente afastados da «Cultura», mesmo aqueles - e sobretudo aqueles! - que por formação deveriam facilmente pronunciar-se, nem que fosse de uma forma «ligeira» ou «divertida»... Refiro-me, por exemplo, a «Orfeu e Eurídice». Mas aposto que, se escrevesse sobre uma qualquer coscuvilhice mediática, os palpites seriam mais que muitos...
Mantém a tua linha, Maurice! Estou contigo e leio-te com o maior gosto!
(Excelente marketing, o teu!) :-)
Obrigado! Abraço!

Hugo disse...

Ric, compreendo muito bem a teu post.
Não há mesmo cu que aguente tanto argumento demagógico e sensacionalista!
Mesmo assim nao abdico de dar a minha opinião e apelar ao voto no SIM até ao dia 11!
Há oito anos estávamos nós a debater esta mesma questão, quando os senhores vieram defender o mesmo não. Um dos argumentos utilizados era afirmar que lei era perfeitamente aceitável para resolver a questão do aborto clandestino.
Ora, oito anos passados verificamos que tal não é verdade. Segundo as estimativas em Portugal realiza-se cerca de 23 000 abortos clandestinos.
Cerca de 23 000 mil mulheres, repito, recorrem ao aborto clandestino, pondo a sua vida em graves perigos físicos e psíquicos.
Logo a lei actual é ineficaz e não dá resposta ao problema do aborto clandestino.
Assim sendo, das duas uma, ou fazemos como os senhores, metemos a cabeça na areia como as avestruzes, compactuando com esta realidade ou temos capacidade mental suficiente para verificar que é necessário mudar a lei.
Deixemos de ser hipócritas, preocupemo-nos com os que sofrem nos dias de hoje os reflexos de uma sociedade intolerante, egoísta e hipócrita!

SIM, pela saúde mas mulheres!!!
SIM, por uma maternidade e paternidade conscientes!!!
SIM, pelo planeamento familiar e pela educação sexual!!!
SIM, PELA DESPENALIZAÇÃO DA INTERUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ!!!

Lampejo disse...

Já gostei mais do Prós e Contras. Achei o último, uma verdadeira "peixarada".
Acho a Fátima Campos cada vez mais presunçosa, de "nariz muito empinado".

RIC disse...

Olá Hugo! Sê bem-vindo! Gostei de ler esta tua intervenção, apesar do seu tom prosélito. Mas os teus argumentos, pelo menos para mim, são precisamente aqueles que são válidos e sensatos. Os números que apontas são indubitavelmente uma vergonha nacional!
E depois aparecem-nos os tais «senhores» a dizerem que defendem e são pela vida...
Fico-me por aqui!...
Obrigado! Um abraço! :-)

RIC disse...

Olá Lampejo! Essa é uma das razões pelas quais vejo cada vez menos a RTP1... Já agora, há meses que não sei qual a programação da TVI ou da SIC... E sinto-me cada vez melhor!
Há muito tempo que deixei de acompanhar debates que descambam facilmente em «peixeiradas» ou «lavagens de roupa suja»... Sou cada vez mais exigente em termos de nível!
Obrigado, meu caro! Um abraço! :-)

pinguim disse...

Bem, Ric, a minha opinião sobre o aborto há muito é pública, voto SIM, e pronto, porque acho que devo votar e como votei no outro referendo.
Sobre o que por aí anda, confesso que me está a enojar, principalmente certos argumentos invocados por ceras pessoas, todas muito bem, àcerca da vida, etc e tal; e depois há o destrambelho da igreja, enfim, é de fugir.
Apenas gostaria de ver as pessoas que pensam como eu, e que estou certo são maioritárias no nosso país, não ficassem em casa no dia 11.
isso é que é importante, porque os outros não ficam de certeza.
Um abraço.

RIC disse...

Olá João C.! Obrigado pelo teu testemunho! Até dia 11 muita água vai ainda passar por baixo das pontes... Pelo andar da carruagem...
Espero, como tu, que dia 11 marque em definitivo a passagem da sociedade portuguesa a outra fase de maior maturidade. Começo a estar farto da infantilidade que grassa entre os adultos. Por isso, escrevi o que escrevi aqui hoje.
Pensar e reflectir são deveres do ser humano! Não me venham com exigências de direitos, sem que os deveres sejam assumidos!
Obrigado!
Abraço! :-)

HAIRYBEARS disse...

OLA...

ADOREI O POST

RIC disse...

Olá! Muito obrigado!
:-)

Shadow disse...

Tudo o que é demais é moléstia... já dizia a minha avó.
Também eu, recuso-me solenemente a ver mais debates e a ouvir certas e determinadas tontices que se dizem por aí!
Votei Sim no outro e voltarei a votar SIM neste. «Mai nada»!

(Só não entendi o que querias dizer com "escropragia televisiva". Leiguice minha, certamente.)

Beijinhos :-)

RIC disse...

Olá Carla! É, minha cara, torna-se cada vez mais difícil suportar tanto desespero... Certos assumem até atitudes patéticas... Insuportável! Tudo o que é demais é erro, dizia a minha professora de Inglês, nos já idos de 70...
Quanto a «escropragia», tens toda a razão, desculpa!... É uma «eruditice» minha, confesso o pecado... Em síntese, considero que nos dias de hoje a dita pornografia é um «mal» relativo e menor; as televisões passam mensagens muito mais perniciosas que de longe afectam muitíssimo mais as mentes. A este «deboche», que inclui, por exemplo, «Morangos com açúcar», eu chamo escropragia (do Grego Clássico)...
Beijinhos! Obrigado! :-)

/me disse...

Enfim, nada de novo debaixo do Sol.
Aliás, a maior parte dos argumentos servem mais para contar espingardas do que propriamente para convencer seja quem for.

Viva a estupidez...

RIC disse...

Olá Me! Pois é, o ser humano, em desespero de causa, é capaz dos maiores absurdos... Sob o sol de sempre, rigorosamente nada de novo.
Eu já desliguei. Para certos peditórios dou uma vez sem exemplo...
Abraço! :-)

Shadow disse...

Grata pelo esclarecimento, Ric.
Todavia surge-me outra dúvida: O que é isso de «Morangos com açúcar»? (lol)

Sabes... As televisões cá em casa só funcionam na RTP1, no Canal 2 e em meia dúzia de canais da TV CABO. Possivelmente estão (todas)avariadas...
:-))

RIC disse...

Olá Carla! Pois é, minha cara, calculo que para mais portugueses o panorama televisivo seja igual ao teu...
Quanto a «Morangos com açúcar», o melhor será evitar pormenores, ou ainda me encerram o blogue por estar a fazer propaganda a ideias subversivas... É que o adjectivo «subversivo» ainda tem muito peso entre nós...
:-)