quinta-feira, 12 de julho de 2007

II. «Strani Amori»



Mi dispiace devo andare via
Ma sapevo che era una bugia
Quanto tempo perso dietro a lui
Che promette poi non cambia mai
Strani amori mettono nei guai
Ma in realtà siamo noi

E lo aspetti ad un telefono
Litigando che sia libero
Con il cuore nello stomaco
Un gomitolo nell'angolo
Lì da solo dentro un brivido
Ma perché lui non c'è, e sono

Strani amori che fanno crescere
E sorridere tra le lacrime
Quante pagine, lì da scrivere
Sogni e lividi da dividere

Sono amori che spesso a questa età
Si confondono dentro a quest'anima
Che s'interroga senza decidere
Se è un amore che fa per noi

E quante notti perse a piangere
Rileggendo quelle lettere
Che non riesci più a buttare via
Dal labirinto della nostalgia
Grandi amori che finiscono
Ma perché restano, nel cuore

Strani amori che vanno e vengono
Nei pensieri che li nascondono
Storie vere che ci appartengono
Ma si lasciano come noi

Strani amori fragili,
Prigionieri liberi
Strani amori mettono nei guai
Ma in realtà siamo noi

Strani amori fragili,
Prigionieri liberi
Strani amori che non sanno vivere
E si perdono dentro noi

Mi dispiace devo andare via
Questa volta l'ho promesso a me
Perché ho voglia di un amore vero
Senza te.

Renato Russo / Renato Manfredini Júnior:
N. Rio de Janeiro, a 27 de Março de 1960
† Rio de Janeiro, a 11 de Outubro de 1996
Cantor, compositor e músico da banda "Legião Urbana".

Lamento, devo ir-me embora
Mas sabia que era uma mentira
Quanto tempo perdido atrás dele
Que promete mas depois nunca muda
Estranhos amores metem-se em apuros
Mas na realidade somos nós.

E esperas por ele ao telefone
Lutando para que esteja livre
Com o coração no estômago
Um sentido enrolado
Ali sozinho, por dentro um arrepio
Mas porque é que ele não está, e são

Estranhos amores que fazem crescer
E sorrir entre as lágrimas
Quantas páginas, ali a escrever
Sonhos e marcas a dividir.

São amores frequentes nesta idade
Confundem-se dentro desta alma
Que se interroga sem decidir
Se é um amor que se faz por nós

E quantas noites perdidas a chorar
Relendo aquelas cartas
Que já não consegues deitar fora
Do labirinto das saudades
Grandes amores que terminam
Mas porque é que ficam, no coração

Estranhos amores que vão e vêm
Nos pensamentos que os escondem
Histórias verdadeiras que nos pertencem
Mas que se deixam como nós

Estranhos amores frágeis
Prisioneiros livres
Estranhos amores metem-se em apuros
Mas na realidade somos nós

Estranhos amores frágeis
Prisioneiros livres
Estranhos amores que não sabem viver
E se perdem dentro de nós

Lamento, devo ir-me embora
Desta vez prometi-o a mim mesmo
Porque quero um amor de verdade,
Sem ti.

Tradução revista por RIC

20 comentários:

Palavras e co-lirius disse...

Oi Ric,

Veio-me uma saudade de Legião Urbana, principalmente de Renato. Há pouco quando estava a ler (como dizem vocês)esta música, pensei: a pior saudade é aquela de que temos certeza que nao vai ser superada. Presto-me então a ouvir as boas músicas de Russo!Ele é um típico brasileiro que não morre para nós, seus compatriotas.
Um abraço,
Aparece!
Nilson

RIC disse...

Olá meu caro Nilson!
Não imaginas, meu caro, o que foi preparar este édito! Primeiro, o fortíssimo impacto das imagens do vídeo. Depois, a belíssima voz do Renato e o seu perfeitíssimo Italiano. A seguir, todas as minhas memórias associadas a esta canção. Depois ainda, o esforço para ler com atenção o texto português... Pelo meio, tive de parar várias vezes... As lágrimas não paravam...
Tens toda a razão: «a pior saudade é aquela de que temos certeza que não vai ser superada»... É por isso que, apesar de toda a beleza do conjunto, não consigo controlar-me e resistir.
Ainda bem que o tens em tão alta consideração! Ele merece!
Apareço, sim!
Um forte abraço para ti também, meu caro! :-)

MrTBear disse...

Amor é amor, não há cá estranhos....

RIC disse...

Olá Teddy Bear!
Desculpa?...

dondon009 disse...

One does not have to understand the language to appreciate the true beauty of the song....

The music, the song.... becomes a fitting tribute to the warm and tender art of Canadian born artist Steve Walker.

~Very nicely done, my friend!


DON

Tongzhi disse...

Dois homens... KORRORRRRRRRRRRRRRR

Special K disse...

Este vídeo está lindissimo, adorei as imagens. Quanto à música não conhecia o trabalho do Renato a solo e estranhei um pouco ouvi-lo cantar em Italiano. Não devia pois pelo seu verdadeiro nome ele deve ser descendente de italianos.
Já agora este post lembrou-me de outro grande nome do rock brasileiro que já não está entre nós; Cauzuza, claro.
Um abraço

Shadow disse...

Desconhecia por completo o trabalho do Renato a solo. Foi uma agradável surpresa!
Quanto ao vídeo, pois...
...Ninguém consegue ser indiferente. Está «brutal»! Até os tons escolhidos, estão sublimes. (as coisas que eu raparo...)
Obrigada!

Beijinhos :-)

r.porter disse...

Muito bom.
Belas imagens, bela música, bela mensagem.

Bacio

RIC disse...

Hello dear Don!
I'm glad you liked it! I was going through a few gay short commercials when I came across this beauty! The main «problem» was the song: it tells me a lot from a very important time to me. So I guess I had to do something with it, so I posted it.
The paintings are absolutely unique! I had never seen something similar ever before!
Thank you, dear friend!
All the best! :-)

RIC disse...

Olá Tongzhi!
Tens o teclado preso? Parece que só funciona uma tecla... Espero que não seja nada de grave.

RIC disse...

Olá Paulo!
Fico contente por haver mais quem goste desta associação entre pintura e música. Adorei os quadros, mas foi de facto a música que me agarrou, por uma longa série de razões... A voz do Renato, aqui, é fantástica!
Cazuza, sim, mais um de quem se tem muitas saudades...
Abraço, meu caro! :-)

RIC disse...

Olá Carla!
Reparas e reparas muito bem! Fiquei na dúvida se haveria de «arriscar» com um videoclip tão longo, mas logo pensei que quem quer ver vê, quem não quer vai andando... Isto agora é assim! Não há cá cedências!...
Eu já tinha visto alguns dos quadros em diferentes blogues, mas é claro, ignorava a origem.
Quanto à canção, é melhor dizer apenas que me marcou - muito - na primeira metade de '90...
Beijinhos! :-)

RIC disse...

Olá querida RPorter!
Grazie mille, carissima! Mi piace a me che ti abbia piaciuto a te!
Tanti bacinni anche per te! :-)

Leo Carioca disse...

Aliás, é curioso como essa música foi regravada por outros cantores, né? Laura Pausini, Luciano Bruno... E sempre chamando atenção. Acho que é porque ela fala de um tema mais do que universal: amores estranhos.

RIC disse...

Olá Leo!
Oh noctívago! Nem digo que horas serão no Rio de Janeiro! Rsrsrs! Eu acabei de me levantar. è madrugada...
Quanto à canção, conhecia-a primeiro através de Laura Pausini, que também é magnífica. Mas sem dúvida que prefiro a bela voz do Renato - esplendorosa! (Sou muito sensível aos diferentes timbres de vozes e facilmente me apaixono por uma, sem nunca ter visto rosto, corpo, nada...)
Um lindo dia para ti, Leo, na Cidade Maravilhosa!
Abração! :-)

dondon009 disse...

Ric:

The following link will take you to Steve Walker's art gallery.... do stop by and experience the sensual beauty of his art.~

I think you'll recognize some of his art from previous posts on my blog.

http://quest.sasktelwebhosting.com/menu.html

Have a wonderful weekend....

DON

RIC disse...

Hello dear Don!
Oh yes, I'll go there right away! Thank you so very much!
I had seen a few paintings on different blogs, so yours is one of them.
This weekend there will be a great party on this blog!...
Have yourself a great weekend too!
:-)

pinguim disse...

Bem Ric
por onde começar?
Pois pelo começo; depois de ver e ouvir o vídeo, e ainda antes de ler a tradução da letra, fui ao "You Tube" e seleccionei o vídeo. De seguida, enviei-o, com palavras muito intimas para o Déjan.
Voltei ao édito, li a tradução, que já "sabia", mesmo sem ler e agora sim, comento...
Claro que gostei tanto, que me emocionei, pois a música é linda, a voz, harmoniosa, a letra muito boa; mas o melhor é a associação que no vídeo se faz com a pintura desse magnífico Steve Walker, que é dos pintores que mais admiro, neste estilo, claro.
Obrigado por este post, caro Ric.
Abraço.

RIC disse...

Olá João C.!
Ainda bem que segui um impulso! Estava à procura de coisas completamente diferentes, quando de súbito vi algo fora das imagens fotográficas... Quando «abri», começou a canção e... já não tive como voltar atrás... Mesmo cantada pela Laura Pausini, é uma excelente interpretação!
E depois, os quadros do Steve Walker... Já decidi que vou apresentar mais uns quantos, da mesma maneira que tenho mostrado Lisboa (várias imagens seguidas). Vale muitíssimo a pena! O homem é uma bateria de inspiração! E tens coisas fabulosas, em todos os aspectos! Apaixonei-me! Se ele me aparecesse à frente, acho que lhe caía nos braços... Enfim!...
Não tens de quê, meu caro! Como vês, o prazer é todo meu!
Um abraço! :-)