domingo, 8 de julho de 2007

Kingdom of the Netherlands – «Het Wilhelmus»


William the Silent / Willem de Zwijger
Guilherme, o Taciturno
Leader and icon of the Dutch revolt

"Het Wilhelmus" (The William) is the national anthem of the Kingdom of the Netherlands – Dutch: Koninkrijk der Nederlanden – and is the oldest national anthem in the world, though the lyrics of the Japanese, "Kimigayo", date as far back as the 9.th century.

It is also one of the very few anthems that do not focus on the History or military accomplishments of the people it represents; on the contrary, it tells of William of Oranje, his life and why he is fighting for the Dutch. As a result, the words of the anthem are as if they were said by William himself. The song is remarkably peaceful and was written around 1574.

On May 10.th 1932 it was decreed that on all official occasions requiring the performance of the national anthem "Het Wilhelmus" was to be played, hereby replacing Hendrik Tollens' "Wien Neerlands bloed door d'aderen vloeit" (Whom Dutch blood runs in the veins, Portuguese: A quem corre sangue neerlandês nas veias), which was the official Dutch anthem from 1815 till 1932.



"Het Wilhelmus" had been sung on many official occasions before and at many important events since 1568, such as the siege of Haarlem in 1573, and the ceremonial entry of the Prince of Oranje in Brussels on September 18.th 1578.

The tune of "Het Wilhelmus" is based on the French soldiers' song "Autre chanson de la ville de Chartres assiégée par le prince de Condé" (Another song about the city of Chartres under siege by the Prince de Condé, Portuguese: Outra canção da cidade de Chartres cercada pelo Príncipe de Condé), which was popular around 1569. During the siege the song had become quite popular among the Catholics of Chartres; the Protestants started to sing it too and made it spread to the Low Countries. Therefore the melody of "Het Wilhelmus" is older than the lyrics. The melody was further developed by the famous Dutch composer Adriaen Valerius (ca. 1575-1625), who made the melody's pace much slower, most likely to allow it to be sung in churches. The current official version is the arrangement by Walther Boer, dating from 1932.

The origins of the lyrics are less clear. Until today no one knows who exactly wrote the Dutch anthem. Soon after it was finished it was said that Philips of Marnix, a famous writer and statesman, former mayor of the city of Antwerp, or Dirk Coornhert, a politician and theologian, had written the anthem. However, this is disputed as both Marnix and Coornhert never mentioned they wrote the lyrics, which is strange given the fact that the song was immensely popular in their times.


Wilhelmus van Nassouwe
ben ik, van Duitsen bloed, (*)
den vaderland getrouwe
blijf ik tot in den dood.
Een Prinse van Oranje
ben ik, vrij, onverveerd,
de Koning van Hispanje
heb ik altijd geëerd.

William of Nassau
Am I, of Dutch blood. (*)
Loyal to the fatherland,
I will remain until I die.
A Prince of Oranje,
I am, free and fearless.
The King of Spain
I have always honoured.

Guilherme de Nassau
Sou eu, de sangue neerlandês.
Leal à pátria
Serei até morrer.
Um Príncipe de Oranje
Eu sou, livre e sem medo.
O Rei de Espanha,
Eu sempre honrei.

(*) There is an ongoing confusion and dispute as to what the author meant with "Duitsen bloed", as the contemporary Dutch word "Duits" means German, not Dutch.
In singing "Duits" is often replaced by "Diets", "Deutsch" or "Deitsch", all meaning Dutch rather than German.
This is done mostly, or even exclusively, due to an anti-German sentiment, which has been present in the Netherlands – the Low Countries – since the 16.th century. Today's resentment of Germans, however, comes mainly from the Dutch appalling experiences during World War II.
Although the exact meaning is still – and will probably remain – unclear, the official version of the Dutch national anthem uses "Duits".

Wikipedia (abridged and rewritten)


Dit postje werd gedacht ook als een klein cadeautje voor mijn beste nederlandse vrienden in Nederland en waar ze zich ook op de wereld mogen bevinden.
Het allerbeste voor jullie allemaal!
Hartelijke groetjes!

RIC

19 comentários:

dondon009 disse...

Wonderful post.... it amazes me how much we can learn from Wikipedia!

It's amazing how much I can learn from visiting your blog!

My maternal grandfather was a shipbuilder with minimal education but with a strong desire to learn.

We were born in a french speaking household, but he taught himself to speak, read and write english, which he did beautifully.

He spent his retirement years reading the encyclopedia.... one page at a time, one book at a time.

We as his grandchildren (who are all college educated) were loved and cherished by him and remained in awe of his brilliance. He encouraged us to seek knowledge and find truth.....

How I wish he were alive today to witness the wonderful world of the internet!

RIC disse...

Hello dear Don!
What a beautiful, touching comment, dear friend! Thank you so very much!
I believe Wikipedia is growing exponentially everyday. You end up finding almost anything whatsoever there! I've tried myself, and I've found it! It's really unbelievable...
«Qu'as-tu fait de ton Français, si c'est ta langue maternelle?!»...
So you can only be either from Louisiana or... Québec! Lol!
Curiously French was my first foreign language. I started learning it when I was about 7, and I could never breal lose from it, even if in my teens I was fed up of it, turned over to English (of course, in those days the language in fashion around here), but I never forgot it. Then at the University it was of great help to me, and as I kept on going to Paris... Well, «la passion est toujours là»...
Great man, your grandfather! Wonderful memories you have, dear Don!
If some people who are no longer among us came back and discovered the internet, I believe at least some of them would still have a lot of precious things to share with us! I'm remembering one person in particular right now...
As to learning, we all learn from each other's blogs, no doubt about it!
Best wishes, dear Don! :-)

Tongzhi disse...

Só comento depois de perceber o que diz aqui:
"Dit postje werd gedacht ook als een klein cadeautje voor mijn beste nederlandse vrienden in Nederland en waar ze zich ook op de wereld mogen bevinden.
Het allerbeste voor jullie allemaal!
Hartelijke groetjes!"

Tenho dito!!!

Catatau disse...

Ric, rapaz, com aquelas golas até eu ficava taciturno!... ;)

Catatau disse...

O que é que se passa com o "mister" Pinguim, que não lhe "acedo" ao blog?

RIC disse...

... Rsrsrsrs!!!
E se essa mensagem só se destinar a quem saiba Neerlandês, hein?! Não estareis a ser demasiado «inchirido»? Rsrsrs!
'Tá bem, tá bem!... Faça-se a vontade do Imperador! Ainda que Sua Alteza Imperial seja dado à preguiça de uma maneira desconcertante!...
Não sabeis, Senhor, que podeis «altavistar» o parágrafo, hein?

«Este édito foi pensado também como um presentinho para os meus bons amigos neerlandeses nos Países Baixos e onde quer que se encontrem no mundo.
Felicidades para vocês todos!
Cordiais saudações!»

Quem é amigo, quem é?...
E se disseste, está dito... É para o lado que melhor me deito...
Rsrsrs!

RIC disse...

Olá João M.!
Quanto ao Taciturno, não podia estar mais de acordo! Rsrsrs! Aqueles nobres eram mesmo desatinados! Imagina só a confusão de trapos que não seria só para poder iniciar os preliminares!... Como é que se atiravam ao cachaço?! Rsrsrsrs!!!

Quanto ao João C., a coisa parece estar complicada, já que ele decidiu apagar a conta de gmail que abrira há dias; só que o blogue ficou automaticamente ligado a essa conta, e como ele a apagou, o blogue neste momento não tem administrador reconhecido pela plataforma «Blogger»... Espero que uma exposição por e-mail para São Francisco lhe permita resolver o problema... Porém, só amanhã é que deverão dar-lhe uma resposta.
Abraço! :-)

Shadow disse...

Perdoa passar por cima do conteúdo do édito».
Queria testar se o registo funcionava.
Fico catita a «azul»? :-))

Beijinhos!:-)

P.s- O prometido é devido!

RIC disse...

Olá minha querida Carla!!!
Bem-vinda sejas com o teu novo look! Que maravilha! E o registo estava disponível! Que espanto!!!
Estou deliciado por ti! Mas que bom!
Pronto! Agora está tudo em ordem e os dados estão lançados para que, tarde ou cedo, tenhas também o teu blogue! Excelentes notícias!
Espero que o fim-de-semana tenha sido bom! Ai, o domingo está a acabar e, para mim, vem aí uma semana do cão... Enfim, mais ou menos...
Beijinhos e muito obrigado! :-)

pinguim disse...

Caro Ric
peço desculpa de fugir ao contexto pessoal do teu post, mas venho informar-te e ao mesmo tempo o João Manuel e outros amigos, que, provisoriamente, estou "alojado" neste blog, até a situação se clarificar; se tudo se resolver para bem, este blog extinguir-se-á, naturalmente; caso contrário, tentarei pô-lo conforme estava o outro.
Para já, consegui, penso eu, reunir os blogs de referência que tinha no outro; se por acaso, faltar algum, peço desculpa.
Abraço amigo e obrigado pelo espaço concedido.

RIC disse...

Olá João C.!
Parece-me ser a solução acertada e adequada ao momento, até para que tenhas uma ligação funcional à plataforma «Blogger».
Tudo se resolverá a contento! Tenho quase a certeza de que será até rápido: bastará fazer prova de que és o administrador do «whynotnow»...
Um abraço amigo! Estou à disposição!
:-)

MrTBear disse...

Upsss, não percebo nada, mas não importa. O reino dos Orange é um dos meus favoritos e não acho nada que sejam taciturnos LOL

Apesar de não perceber nada, desejo-te uma boa semana
LOL

RIC disse...

Olá Teddy Bear!
Tudo bem?
Esta é tavez uma prova contra a fatalidade do destino: lá porque Guilherme ficou para a História como o Taciturno não quer dizer que os seus súbditos tivessem de sê-lo. E bem sabemos que não!
E quanto a não perceberes nada, engana-me que eu gosto... Rsrsrs!
Uma grande semana para ti também!
Abraço! :-)

Special K disse...

Um país tão lindo, que eu gosto tanto e desconheço tanto sobre a sua história.
Obrigado pelo post.
Um abraço

RIC disse...

Olá Paulo!
Inteiramente de acordo contigo! É provavelmente o único (ou dos poucos) país da Europa onde eu viveria e me sentiria em casa, ou quase.
Por ironia, foi na Alemanha que «descobri» a Holanda, e nunca mais nos separámos.
Vou tentar encontrar elos entre nós, portugueses e holandeses, que te possam também interessar. Já estava nos meus planos. Este foi o pontapé de saída...
Claro, não tens de quê! O prazer e o gozo é (quase) todo meu!
Um abraço para ti também! :-)

Tongzhi disse...

«Este édito foi pensado também como um presentinho para os meus bons amigos neerlandeses nos Países Baixos e onde quer que se encontrem no mundo.
Felicidades para vocês todos!
Cordiais saudações!»

Adorei!!!!

E para quando um édipo dedicado aos "jagozes"???
hem????

RIC disse...

Olá Tongzhi!
Estava a ver que me deixavas plantado, sem vires recolher o serviço requisitado! Rsrsrs!
Ainda bem!!! Como vês, o Neerlandês até que nem é asim nada por aí além... Quase se tira a olho... Rsrsrs!
Quanto ao «serviço» seguinte, apenas duas palavrinhas:
1. Édito, não édipo (mas isto é como o outro: Freud explica, oh se explica!... Rsrsrsrs!!!).
2. «Jagozes»?! Deixas-me em branco, meu caro! Terás de elaborar sobre o conceito, porque a minha ignorância é, neste caso, himalaiesca... Porque não envias a requisição por e-mail? Sempre lhe dá um ar mais... oficial... Rsrsrs!
Diverte-te, sim? Faz por isso!
Abraço! :-)

Tongzhi disse...

O "p" no lugar do "t", foi gralha. Reli e não dei por isso!
Quanto à "requisição", segue dentro de dias...

RIC disse...

... Ó meu subido Imperador, que gralha tão a propósito, não é?... Rsrsrsrs! É que o «t» e o «p» estão mesmo juntinhos no teclado, não estão?... Até parece que já são amantes... Dizem...
Quanto ao resto, quando cá chegar cá me encontra...
Abraço! :-)