quarta-feira, 25 de julho de 2007

«Italienische Reise» | «Italian Journey»


«Den 3. September 1786

Früh drei Uhr stahl ich mich aus Karlsbad, weil man mich sonst nicht fortgelassen hätte. Die Gesellschaft, die den achtundzwanzigsten August, meinen Geburtstag, auf eine sehr freundliche Weise feiern mochte, erwarb sich wohl dadurch ein Recht, mich festzuhalten; allein hier war nicht länger zu säumen. Ich warf mich, ganz allein, nur einen Mantelsack und Dachsranzen aufpackend, in eine Postchaise und gelangte halb acht Uhr nach Zwota, an einem schönen stillen Nebelmorgen. Die obern Wolken streifig und wollig, die untern schwer. Mir schienen das gute Anzeichen. Ich hoffte, nach einem so schlimmen Sommer einen guten Herbst zu genießen. Um zwölf in Eger, bei heißem Sonnenschein; und nun erinnerte ich mich, dass dieser Ort dieselbe Polhöhe habe wie meine Vaterstadt, und ich freute mich, wieder einmal bei klarem Himmel unter dem fünfzigsten Grad zu Mittag zu essen.»

«3 September 1786

I slipped out of Carlsbad at three in the morning; otherwise, I would not have been allowed to leave. Perhaps my friends, who had so kindly celebrated my birthday on 28 August, had thereby acquired the right to detain me, but I could wait no longer. I packed a single portmanteau and a valise, jumped into the mail-coach, and arrived in Zwota at 7.30. The morning was misty, calm and beautiful, and this seemed a good omen. The upper clouds were like streeked wool, the lower heavy. After such a wretched summer, I looked forward to enjoying a fine autumn. At noon I arrived in Eger. The sun was hot, and it occurred to me that this place lay on the same latitude as my native town, I felt very happy to be taking my midday meal under a cloudless sky on the fiftieth parallel.»

© Penguin Classics, 1982

From this journey, which Goethe undertakes incognito as "Filippo Miller, Tedesco (German), Pittore (Painter)", he returns in June 1788 as one, who found "Arcadia" and himself.
But only thirty years later he publishes in a worked form the travel diary originally dedicated to Charlotte von Stein. The "Italian Journey" finally got its title in the last hand edition from 1829, now completed with the report about his second staying in Rome.

… I'm off to Italy myself as well. I'll be back tomorrow.

RIC

14 comentários:

Catatau disse...

Ah Fausto, onde estás tu?! ;)

RIC disse...

Olá João M.!
Qual deles? Houve tantos... O de Goethe perdeu-se pela Margarida... A esta hora, atrevo-me a dizer que deve estar presente a mais uma das infindas churrascadas... Rsrsrs!
Azares...
Um abraço! :-)

(Que quietude reina no mundo blogosférico! Amanhã volto talvez com novidades de Itália... Magari!)

Shadow disse...

Perante certos éditos, sinto-me uma leiga. (Quem diz a verdade não merece castigo...). Todavia, não vou «dar à sola» sem nada dizer. Ainda para mais, foi tão agradável chegar aqui e ouvir Serge Reggiani :-) Obrigada!

Beijinhos! :-)

RIC disse...

Olá Carla!
Pois é: há quem seja impecável e há quem não seja... Eu agradeço-te pela tua sensibilidade e simpatia, naturalmente! E creio que ser leigo, como dizes, não é de todo razão para castigo nenhum! Pelos olímpicos deuses que subida morada ocupam!
A «Viagem Italiana» de Goethe pode ser um mero pretexto para cada um falar sobre o que muito bem lhe apetecer: viagens, literatura (alemã, portuguesa, aborígene, marciana...), Itália, Alemanha, férias, atracções... Acho que esta lista poderia continuar a crescer quase indefinidamente... Mas... é tudo uma questão de vontade e de boa vontade... Contra isso, batatas...
Ainda bem que também gostas de Reggiani! Fico muito contente por mo teres dito hoje! Não tens de quê!
E como gosto de fugas para a frente (e tenho mau feitio como o caraças!), é mesmo em frente que vou seguir. Talvez amanhã chegue a Moscovo... O alfabeto cirílico tem muito bom aspecto, e eu adoro uma velha canção chamada «Olhos Negros»... Quem sabe?... Rs!
Beijinhos! :-)

Catatau disse...

Realmente tens razão: nem uma agulha anda a bulir, na quieta melancolia dos post(e)s do caminho!...

A blogosfera foi a banhos (espero que não tenha ido para Inglaterra).

Abraços. :)

Oz disse...

Estás em Itália, caro Ric? Ai que inveja (boa, claro está)! Não é a minha altura do ano preferida para estar ai, mas, ao contrário do que aconteceu com Goethe, este Verão tem dias em que mais parece Outono.
Cá aguardamos algumas páginas do teu travel diary. Abraço.

RIC disse...

Olá João M.!
Assim parece ser, meu caro! E, sem saberes, com essa tua «citação adaptada», bateste leve, levemente num próximo assunto que quero trazer aqui. Mas isso ficará para depois...
A banhos para Inglaterra?! Que péssimo gosto! Só se for para dar uns mergulhos nos «lounges» dos hotéis... Rsrsrs!!!
Um abraço, meu indefectível companheiro estival! :-)

RIC disse...

Olá Oz!
Estou em Itália, estou! Rsrsrs! Como diz Garrett nas «Viagens na Minha Terra» a propósito de Xavier de Maistre, que andou pelo mundo em «Voyages autour de ma chambre»... Mas eu, antes de regressar a Lisboa, vou mesmo bem mais longe... Mistério!...
Tens razão, meu caro: nem o Verão é já Verão!... Que esquisito!
(Espero que haja coisas boas para ler «in the land of Oz»! Apetece-me dar um salto «over the rainbow»...)
Abraço! :-)

JoeL disse...

I hope you have a good trip!?

RIC disse...

Hello dear Joel!
I always have, dear friend, I always have!... I only have to let my imagination go and flow... That's all it takes!
Best wishes, dear friend! Hope everything's on the right track!
:-)

Bernardo Moura disse...

Tens uma sorte.
Por quantos lados vais passar?
Abraço

RIC disse...

Olá Bernardo!
Por todos aqueles aonde a imaginação me levar... É uma sorte, não é?... Rsrsrs!
Um abraço amigo com origem real na Princesa do Tejo! :-)

pinguim disse...

Com um atraso que acho que compreenderás, aqui estou a dizer algo, no teu blog.
Estou um bocado como a Carla diz, pois por vezes, alguns éditos teus são muito "densos" para mim, ou até isso seja uma desculpa inventada por mim, para não dizer que sou preguiçoso para fazer um esforço de compreensão; mas, como posso ser preguiçoso, mas não sou estùpido, quando o assunto está Em "estrangeiro" e não me parece acessível de imediato, faço algo, bem ao estilo português, que é ir aos comentários já existentes e me posicionar suficientemente bem para ter opinião.
É o caso deste post, pois Goethe é um desconhecido para mim (lido, claro), e só posso falar deuma coisa belìssima, realmente, que é viajar por Itália, e se possível assentar arraiais na Toscânia, no Outono (uma delícia).
Tenho ainda pena de não ouvir o Reggianni, infelizmente tão esquecido, mas tenho a companhia musical de uma bela canção de amor, em castelhano, e "olé".
Abraço.

RIC disse...

Olá João C.!
Para não fugir ao tom geral deste édito - Itália -, eis que a tua «Setimana nel paradiso» acabou... Terrível como o tempo psicológico - «la durée» para os gauleses - é bem mais avassalador que o cronológico... Mas Zadar já aí vem!
Pois é, meu caro, tens toda a razão: o facto de eu estar a ler a «Viagem Italiana» não pode obrigar ninguém a escrever sobre Goethe. Aliás, longe de mim tal intenção! Os blogues não são de todo os espaços ideais para a troca desse tipo de saberes/informações. Querendo, cada um procura na net o que mais lhe interessar sobre o assunto.
Ah a Toscânia... Ah Florença... Ah os belíssimos italianos... Ah as mamórias que ficam para sempre...
Quanto à «música de fundo», haverá mudanças até eu me fartar (conheço-me!) e encontrar um ritmo mais sereno - e músicas mais «substanciais» também...
Um abraço! :-)