segunda-feira, 23 de julho de 2007

«Aquarela» de Toquinho

In my opinion this is one of the most beautiful MPB (Música Popular Brasileira - Brazilian Pop Music) songs ever.
I still remember quite vividly the very first time I listened to it many years ago: a shiver went down my spine, and I felt a sudden, unexplainable urge to cry. And ever since that moment it has always been like that every single time I listen to it. I guess I'm turning into a cry-baby as age progresses…
Please listen carefully to those guitar accords in the end! Heavenly!



Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu

Vai voando contornando
A imensa curva norte-sul
Vou com ela viajando
Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul
Entre as nuvens vem surgindo
Um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo
Sereno indo
E se a gente quiser
Ele vai pousar

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos, bebendo de bem com a vida
De uma América à outra eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está

E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
E depois convida a rir ou chorar
Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Que descolorirá
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá

This is also meant as a heartfelt homage to those unfortunate people who perished in the TAM aircraft crash in São Paulo, Brazil, and their mourning families.

RIC

22 comentários:

Leo Carioca disse...

Quando eu era criança, tinha um comercial da Faber Castel que tinha uma criança cantando essa música e, ao mesmo tempo, ficavam passando uns desenhos também descrevendo o que a música narra.
Sempre que esse comercial passava, todo mundo parava o que tava fazendo e ficava olhando pra televisão!

RIC disse...

Olá Leo!
Que bom seres o primeiro! Enquanto preparava este édito, estava a pensar em ti e nos outros brasileiros que aqui vêm regularmente. É também uma forma de dizer que gosto de vocês.
É isso, decerto! A melodia tem um efeito mágico. Há muitas canções brasileiras belíssimas que eu adoro, que ouço regularmente, que sei de cor, que adoro cantar... Mas esta - não faço a mínima ideia porquê! - dá-me sempre uma tremenda vontade de chorar... E o mais estranho (já aconteceu...) é que choro onde estiver, o que não é propriamente agradável. Aconteceu numa grande loja de música! Cheia de gente! E eu a disfarçar!... Que figura!
Abração! :-)

pinguim disse...

Primeiro que tudo, é imensamente meritória a tua homenagem às vitimas do acidente aéreo de S.Paulo; depois a muito boa escoha do tema musical, tão belo, como simples, de Toquinho. É incrível como uma melodia, de tão simples nos parecer a nós, leigos na matéria, de tão fácil composição, quase tão singela como os traços que vão ilustrando o texto da canção (por vezes imaginei-me a reler o "Meu pé de laranja lima").
Muito bom, Ric, e muito a propósito.
Abraço.

RIC disse...

Olá João C.!
Estou a ver que estás na maior! Assim é que é! Adorei o teu discurso encomiástico, a sério! Muito obrigado! Afinal, sou um repentista, pelo menos aqui, quando se trata de escolher materiais. O acidente impressionou-me pelo elevado número de vítimas e pelo facto de que poderia talvez ter sido evitado... E esta canção do Toquinho - que parece uma treta de simples, concordo - tem um poder espantoso sobre mim como poucas, apesar de eu ser de lágrima fácil no tocante à música, cantada ou não...
Ainda bem que gostaste!
Um excelente dia para ti! :-)

r.porter disse...

Caro amigo,
"E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
E depois convida a rir ou chorar"
Fiquei com isto no ouvido.
Adorei!
Sou uma "saudosista" é um facto, mas relembrar o que de melhor temos é a melhor homenagem que podemos fazer.

Quanto mais vejo os teus escritos, as tuas homenagens, a tua selecção musical entre outras obras que por aqui já vi, mais te admiro como belo e sensível ser da natureza que és.
Obrigada.

RIC disse...

Olá minha querida RPorter!
... Vá lá, menos, está bem?... Senão tenho para aqui um ataque de vergonha, e depois é uma chatice... :-)
Obrigado eu pela tua simpatia e gentileza!
Quanto a sermos saudosistas, creio que mesmo em cada um de nós há diferentes «doses» de saudosismo, conforme o momento que estamos a viver, o estado de espírito, as expectativas, os amores... Mesmo que me dissessem que não será muito são, eu gosto de ir ao passado buscar o que houve de mais significativo para mim. É talvez também uma forma de enriquecer o presente...
E na madrugada passada, esta bela e velha canção caiu sobre mim, tal como no sábado passado o tema de «Verão de 42» (Michel Legrand) que está agora na barra lateral como apelo à protecção do planeta. Só tinha visto o filme uma vez, há muitos anos já, e foi um regalo revê-lo...
Ah! Não tens de agradecer nada!
Beijinho! :-)

Shadow disse...

Uma homenagem de louvar.
Um vídeo (aparentemente) simples e tocante.
Uma melodia contagiante.
Umas lágrimas que teimam...

Beijinhos! :-)

disse...

Foi muito triste o que aconteceu em São Paulo na semana passada...

Eu estava em Porto Alegre e o vôo tinha saído de lá. Os gaúchos sentiram o acidente com muita intensidade!

Não é pra menos. Nós que estávamos no evento que estava rolando por lá sentimos também porque muita gente voltaria para seu respectivos estados de avião, inclusive professores meus e amigos meus, que estudam comigo. Os aviões que saem de Porto Alegre e vêm para o Rio necessariamente fazem escala em Congonhas. Daí uma certa tensão no ar...

Uma professora que participara do evento e a filha de uma outra professora foram vítimas da tragédia.

Mas, olha, apesar de eu ter achado lindíssima a sua homenagem, vou me furtar de tecer comentários sobre o acidente e associar com a "Aquarela" do Toquinho! Na verdade, acho que é por medo de toda vez que eu a ouvir acabar associando-a ao triste episódio.

Acho este música lindíssima!!!! Toda vez que viajamos em família -- minha família é grande -- cantamos essa música no carro, juntamente com muitíssimas outras músicas! E, como o camarada aí de cima, também me lembro do comercial da Faber Castel! Acho até que vou procurar no Youtube!

É realmente uma música mágica. Neste momento em que estou no computador, por exemplo, o Ricardo está jogando videogame com o Miguel na cama. Ambos pararam para assistir ao vídeo. É realmente mágico. Tanto a melodia quanto a mensagem são encantadoras!!!

Acho que agora voltei ao mundo dos blogs. As atribulaçóes acadêmicas deram uma folga. Pelo menos nas próximas semanas a coisa estará menos pesada. Será que eu vou conseguir ser um blogueiro assíduo?! Será????

E como estão as coisa aí no Reino? Saudade!!

Beijos!
=)

Special K disse...

A canção é simples e maravilhosa. Há uns meses pesquisei-a no YT e encontrei por lá o anúncio que o Leo carioca fala e devo dizer que é um dos mais belos anúncios que eu já vi.
São os mundos onde a nossa imaginação nos pode levar.
Já agora junto-me também a ti.
Já agora também uma palavra de apreço ao povo brasileiro neste momento tão triste.
Um abraço

RIC disse...

Olá querida Carla!
Como podes ver pela data e pela hora, há aqui um «décalage» que não pude evitar... Vicissitudes...
Em primeiro lugar, obrigado pela «solidariedade»...
Em segundo, muitos parabéns! Já te visitei e disse de minha justiça... Quando te quis telefonar, vi que já não eram horas de fazê-lo... Despassarado!
Feliz aniversário! :-)
Beijinhos!

RIC disse...

Olá Paulo!
Obrigado pelo gesto solidário! Ainda que indirectamente, o Lê (comentário acima) foi afectado pelo acidente: perdeu uma professora.
Como outras canções da MPB dos anos 70 e 80, a beleza desta é simplesmente desconcertante pela sua... simplicidade...
Abraço!

Catatau disse...

Uma música muito linda, para tentar fazer suportar um acidente absurdo.

Agora só virei cá de quando em vez, porque já ando em "dragagens" na terra onde o mar é azul para caraças! ;)

Boa semana!

RIC disse...

Olá João M.!
Obrigado pela informação! São já poucas, mas ainda há pessoas que têm consideração pelos outros... (Não leves este desabafo a sério: é o meu useiro mau feitio que, de vez em quando, me dá umas ferroadas...) Rsrsrs!
Ah então quer dizer que foste a banhos para a Figueira? Ou estou a ler mal os indícios?... «Dragagens» do verbo «draguer»?! Oh la la! «Il ne perd pas du tout son temps... Rsrsrs! Espero e desejo que sejas muito bem-sucedido, meu caro!
Também acho o acidente absurdo pelas informações que recolhi...
Bem, então aqui ficam os meus votos de uma excelente temporada balnear e que as dragagens não sejam apenas areeiras... Rsrsrs!
Um abraço amigo! :-)

RIC disse...

Olá meu querido Lê!

Após tão longa ausência, sê muito bem-vindo de volta a este meu humilde reino da Babilónia universal! É um prazer voltar a ler-te!
Fiquei chocado e sobretudo incomodado – tal como eu disse ao Ricardo –, porque de repente me dei conta que tenho hoje um pequeno grupo de amigos brasileiros que, de algum modo, poderiam ter sido afectados pelo acidente… E não estava muito longe da verdade… Lamento o destino daqueles que conhecias, querido Lê.
Quanto à «Aquarela» do Toquinho, não era minha intenção associá-la ao acidente. Procurei-a no YouTube por razões «egoístas». É uma das canções da MPB que me acompanham desde os anos 80. E tem o tal efeito sobre mim… Como tinha estado a pensar sobre os muitos males que afectam hoje o mundo infantil, aqueles desenhos mais me atraíram. Quanto a tu a associares ao acidente, acho difícil que tal possa acontecer, já que cada um de nós tem a sua reserva de memórias e não é fácil «tomar de empréstimo» memórias alheias. Além do que já contei, esta canção é para mim também uma melodia de Verão e de evasão: sempre que a ouço, aquele desejo absurdo de chorar tem talvez que ver com um Verão da primeira metade dos anos 80 que foi ao mesmo tempo belo, pleno e… finito… Não foi um amor de Verão, mas quase. Acho que é o sentimento de perda que lhe ficou associado, sem com isso afectar a imensa beleza que continuo a apreciar nela… Como vês, o mundo das memórias e das associações é bem mais complexo do que à partida se possa pensar… Mesmo para a própria pessoa.
É, a magia de que falas é muito estranha… Acontece o mesmo comigo: a canção começa – apenas aqueles breves acordes iniciais –, e eu identifico-a de imediato, paro o que estou a fazer e rendo-me por completo àquela melopeia.
Quanto à blogosfera, meu caro Lê, só tu poderás saber e definir o que queres fazer com o lugar que tens nela. Li o teu mais recente texto – «Vamu querer?» – e compreendo as tuas dúvidas. Creio que tudo dependerá do rumo que a tua vida tomar proximamente, do modo como organizares os teus interesses e prioridades e até do que são as tuas expectativas relativas ao facto de manteres um blogue e com que objectivos. A assiduidade poderá até nem ser um factor importante, já que muitos amigos bloguistas postam/editam com periodicidades muito diversas. Só tu saberás o que é mais importante na tua relação com os outros bloguistas.
Ficarei aguardando os desenvolvimentos que ocorrerem.
Aqui pelo Reino está tudo muito pacato, pacato até demais! É a «silly season»! Está tudo dito!…
Beijões e abrações de Lisboa para ti, meu caro Lê!
Desejo-te tudo de bom e muitas felicidades! :-)

MrTBear disse...

É muito gira a música, fazia tempo que a não ouvia...

RIC disse...

Olá Teddy Bear!
É, sim senhor! Muito gira mesmo! E «ilustrada» ainda parece ser mais gira! Bem mais próxima do universo infantil!
Abraço! :-)

Catatau disse...

Não é bem na Figueira, rsrsrsrs... é um pouco mais a Norte, na princesa do Cávado.
E as dragagens são terrestres... mais Indiana Jones, if you know what i mean, ejejeje.... mas espero ser bem sucedido na mesma, ah ah ah!

Vou de férias depois disso! Abraço. :)

RIC disse...

Olá João M.!
Bem, de facto «onde o mar é azul como o caraças» não é o mesmo que «onde o mar é mais azul»... Erro meu!
Espero que tenhas muito êxito em todos os «aspectos»!... (Abomino o abuso de «vertentes»!) Rsrsrs!Expedições aventureiras... Nada mau!
Tudo de bom! :-)

Bernardo Moura disse...

Epá, que música bestial!
Nem li direito os post´s, desculpa!
Ella isn´t it?
Abraço

RIC disse...

Olá Bernardo!
Rsrsrsrs!!! Há já muito tempo que andava a apetecer-me dar múcica ao pessoal!... Acho que desta vez consegui! Rsrsrs!
A grande cantora é outra lenda dos blues - Billie Holiday!
É muito bom gostar-se de boa música! Só faz bem!
Abraço, meu caro! :-)

lampejo disse...

Também gosto da música e em geral partilhamos gostos musicais, Serge Reggiani, «Le premier amour du monde», etc...
Abraço

RIC disse...

Olá Lampejo!
Fico contente por gostares de Reggiani. Nos dias de hoje, não creio que seja muito conhecido ou muito apreciado.
Abraço! :-)