domingo, 8 de outubro de 2006

III. Sem mobilização...


«Governo desmente possibilidade de adopção por casais do mesmo sexo»

«O ministro da Presidência, Silva Pereira, garantiu que o Governo não tem qualquer iniciativa planeada, relacionada com a adopção de crianças por casais homossexuais. O semanário «Sol» noticiou que vários deputados do PS se mostraram favoráveis à adopção de crianças por casais homossexuais e acreditam que a questão será colocada depois do referendo do aborto. “O Governo não tem inscrita no seu programa qualquer referência ao assunto e não está a pensar em nenhuma iniciativa sobre esta matéria”, afirmou Silva Pereira, no final do Conselho de Ministros. Os deputados ouvidos pelo «Sol» consideram que uma alteração da legislação sobre a adopção deverá ser feita depois do referendo ao aborto e na sequência da discussão do casamento de homossexuais. De acordo com o semanário, os deputados argumentam que os casais que querem adoptar uma criança têm de ser “sólidos” e “bons educadores” e que isso não tem necessariamente a ver com a sua orientação sexual.»

A pobreza nacional é, de facto, ultrafranciscana.
Nem os interessados se mobilizam, nem o socialismo português consegue ser tão socialista quanto o espanhol...
Porquê?!
Fiquemos, pois, à espera que os políticos nos entreguem, em salvas de prata e de mão beijada, o que desejamos.

Não nos mobilizemos que não é preciso...
Choraminguemos mais um bocadinho, que é o que está a dar. Sempre esteve, aliás.
E mais uma vez, em mais um assunto, Portugal fica cantando e rindo, qual bobo mentecapto, na cauda da Europa.

E, já agora, qual é a novidade?

"A minoria pode ter razão; a maioria está sempre errada."
Henrik Ibsen (dramaturgo norueguês do século XIX)

13 comentários:

Shadow disse...

Continuo a afirmar que somos um povo muito mesquinho.
Em relação à espera, o melhor mesmo é ir buscar uma cadeirinha...não?

Renovados votos de boa semana.

:-)

RIC disse...

... E enquanto daí não passarmos - de reconhecer e afirmar que somos mesquinhos (nesta questão, como noutras, as culpas não serão nem tuas nem minhas) -, continuemos a apregoar os «brandos costumes» como se de uma virtude celestial se tratasse... Haveremos de chegar bem longe! Pois é, esperar sentados é que nos resta.
Boa semana também para ti, Carla!

Ricardo disse...

Ah, meu fofo, não fique assim que aqui na pátria-filha as coisas estão no mesmo pé!
Aqui chega-se ao disparate de um casal gay não poder adotar uma criança, mas um homem solteiro pode!!! Bem, até já existem casos, mas são tão exporádicos que não se pode contar...

Acho uma coisa totalmente descabida, achar que uma criança fica melhor em um orfanato do que em um lar gay, mas fazer o que???

Se fosse assim, o governo deveria proibir os gays de terem filhos por vias biológicas! Tanto homens quanto mulheres! Arreeeee!!!!

Mas meu lindo, vamos ter fé e crer que as coisas vão melhorar... e se tivermos que ir às armas, que seja!
:D

Querido, não sei se já te pedi isso, ou se isso seria muito abuso da minha parte, mas vc tem MSN???

Grannde beijo e tudo de bom!

PS. O Lê simplesmente amou seu comentário no Blog dele!! Hauahuahuah! E ele queria saber se vc é historiador!!! ;D

RIC disse...

Meu querido Ricardinho, eu só fico «assim» porque esta gente aqui ainda vive como no tempo do Salazar: um qualquer político «morónico» diz a primeira asneira que lhe vem à boca, e o povão é capaz de achar que o idiota passou uma semana em meditação profunda sobre o assunto e logo, dá-lhe razão. Estou farto!
Se uma criança adoptada por um casal gay estivesse «condenada» a ser gay também, então nós, pura e simplesmente, não existiríamos... Não nascemos nós de casais heterossexuais?...
Crianças ao abandono de afecto em orfanatos é assunto que me dá raiva. Em pleno século XXI!
As revoluções não existem só nos livros de História; fazem-se!
Não tenho, de momento, MSN. Explico-te a situação num email, já a seguir! Prometo!
Quanto ao Lê, dou-lhe a resposta no blog dele!
Um abração e um beijão!
Adorei as tuas observações! :-)

Gray disse...

I agree with Henrik Ibsen. It is odd how the minority can be so right so often!

I hope the Portuguese Parliament will pass the gay adoption law based on the gay couples' abilities to educate the children and their abilities to love, guide and direct the children.

As long as a child is raised correctly the sexual preference of the parent should be of no consequence.

I only hope the several states that comprise the United States will do the same!

------------------

Please be honest, Ric! Does the following translation agree with what I wrote above? You will not hurt my feelings - I just want to know if my translator is any good (or is it too Brazilian?).

-----------------

Eu concordo com o Henrik Ibsen. É impar como o minority pode ser assim para a direita assim frequentemente!

Eu espero que o Parliament Portuguese passe a lei gay do adoption baseada nas abilidades dos pares do gay de educar as crianças e em suas abilidades de amar, guie e dirija as crianças.

Contanto que uma criança for levantada corretamente a preferência sexual do pai deve ser de nenhuma conseqüência.

Eu espero somente que diversos estados que compreendem os Estados Unidos façam o mesmo!

RIC disse...

Well Gray, I'm quite astonished with the outcome! You did understand the Portuguese text indeed (for which I've been flagged once again tonight...), but I just cannot figure out how...
There is no problem if it's Brazilian. The main problem with all translator engines is that they're not powerful enough: they cannot distinguish among uses. The outcome is almost always a joke...
I'll take a more careful look at your Portuguese text and post right here my revised version, so you can draw your own conclusions, okay? But you understood quite well my post. Congratulations!
(Or... do you speak Portuguese and don't want to tell about it, huh?) :-) I'll be right back!

RIC disse...

So, Gray, here is my translation into correct Portuguese, regardless of some Brazilianisms which are quite correct anyway (the same difference as between written American and British English, I'd say):

«Eu concordo com Henrik Ibsen. É estranho como a minoria pode estar certa (assim) tantas vezes!
Eu espero que o Parlamento Português aprove a lei de adopção gay baseado nas capacidades dos casais gay para educar as crianças e em suas capacidades para amar, guiar e orientar as crianças.
Se uma criança for educada corretamente, a preferência sexual dos pais não terá qualquer importância.
Eu só espero que os diversos Estados que integram os Estados Unidos façam o mesmo!»

Joel disse...

Understanding your post more with Grays translation, I agree. How come so many times it's the minority groups that are right but they're passed over?

I hope the out come is good. I hope it can help set an exemple in the rest of the world.

As for the books, I didn't read any of them. Sorry. I'll check 'em out.

RIC disse...

Good for you, Joel! But those translations are often most strange.
I don't think we'll ever set an example... The Socialist Party in government has just anounced they won't support the project... They're too afraid, the chickens!
As for the books you won't have to be sorry, Joel. All I want is for as many people as possible not to forget them, and if they happen not to know them then they'll just get somehow interested and read them. One thing is certain: they are pieces of our History. I believe you would like «1984»... Have you ever heard of the Big Brother?... Well, that's where he was «born»...

Carioca disse...

Esse provérbio que vocÊ botou no final é de uma inteligência incrível: "A minoria pode ter razão; a maioria está sempre errada."
A maioria simplesmente não pensa. Ela só concorda com a própria maioria. Concorda consigo própria!rs Afinal, isso é mais fácil do que parar pra pensar.
A minoria é composta, geralmente, por quem para pra pensar.

RIC disse...

Olá Carioca! Estás bem?
Esse teu ponto de vista, quase uma subtileza, já me deu espaço para mais umas quantas reflexões. Com efeito, uma maioria, seja para o que for, nunca tem de pensar. Basta-lhe ser maioria ou, pelo menos, ter a certeza disso. Já as minorias, para se afirmarem, têm de ter pelo menos uma forma de pensamento estratégico para se imporem.
Muito obrigado!
Um abração! :-)

Gray disse...

Ric, thank you so very much for taking the time write the corrections of my translation. I appreciate your time to do so.

No, I do not speak Portugese. I regret to say that I speak only English (more correctly American-English) and Spanish (I learned from a Castilian Spanish teacher in high school and studied more in college). Unfortunately my Spanish suffers from lack of usage. I must start reading more Spanish or Mexican-Spanish books and newspapers.

I shall endeavor to do better in the future.

Thank you again

RIC disse...

You are most welcome, Gray! No trouble at all! That's something I've been doing for a long time now, so I guess it comes «easy and quick»... Moreover, I do enjoy it! Please, feel free to ask anything I may help you at. :-)