quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

II. «Natal»


Natal… Na província neva.
Nos lares aconchegados,
Um sentimento conserva
Os sentimentos passados.

Coração oposto ao mundo,
Como a família é verdade!
Meu pensamento é profundo,
Estou só e sonho saudade.

E como é branca de graça
A paisagem que não sei,
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei.

in «Notícias Ilustrado», n.º 29, de 3-12-1928

[Obras de Fernando Pessoa,
vol. I, pp. 251-2, Lello & Irmãos – Editores]

12 comentários:

Th.M. disse...

Agradecido, retribuo... FELIZ NATAL, na melhor das companhias que seja capaz de te encher o coração de solene alegria.

«Learn until you die».

Shadow disse...

Chega o Natal e só me apetece refugiar numa montanha.
Tenho quase vontade de espatifar (não no sentido lato da palavra) o Natal.
Como disse num édito anterior, muito Grinch para comentar o que quer que seja s/ o Natal.
Sorry...

Votos de uma boa noite. Quentinha, de preferência. :-)

Beijinhos.

Joel disse...

Nice picture.

I love a tree with candles.

But I would be so scared.

I figure your text is lovely too!?

Carioca disse...

Bom, desculpe se tô sendo estraga-prazer, mas o Natal não chega a mexer tanto assim comigo.
Acho uma data agradável, todo mundo se confraterniza, mas, pra mim, não passa muito disso.
De qualquer forma, é claro que vamos asperar que seja um dia feliz, né? Pra todos!
Abração!

pinguim disse...

Um Natal pessoano, que delícia!
Só teu...

RIC disse...

Muitíssimo obrigado, Th.M.!
Este Natal será um momento especial de reflexão com base noutros Natais em que a alegria foi genuína. Hoje, será uma alegria diferida, mas ao pensar nas crianças, a alegria renasce, genuinamente.

RIC disse...

Creio que te compreendo, Carla. Ou tens muito boas razões (geralmente vindas do passado) para te agarrares à tradição e a comemorar, fugindo assim do deplorável espectáculo destes nossos dias, ou então é mesmo de um refúgio que se precisa...
Eu já não consigo entrar em lojas, centros comerciais e quejandos... Chega a perturbar-me entrar em tais antros...
São neste momento 6:30 da manhã, o silêncio é de ouro, estão 4ºC, mas eu estou quentinho por dentro...
Beijinhos! Um bom dia para ti!

RIC disse...

Hello Joel! Yes, I love that photo too, but I wouldn't ever put candles up on a tree... It would scare me terribly too!
It's a very simple poem on being lonely at Christmas and reflecting on how it would be if... Very beautiful and very deep.
Thanks!

RIC disse...

Olá Carioca! Se leste o poema, deves ter percebido que também não sou dos que mais vibram com o Natal... Pelo contrário até!
Está lá tudo dito. Se eu fosse genial como Fernando Pessoa, poderia ter sido eu a escrevê-lo. Como se diz por aqui, este poema tira-me as palavras da boca...
Abração! Felicidades!

RIC disse...

É João, dizes bem: um Natal pessoano sim, e muito ricardiano também. Tão ricardiano que já cheguei a pensar, no meu olímpico egótismo, se acaso este poema não poderia ter sido escrito para mim.
Mas basta pensar em todos aqueles que ao longo dos muitos anos estiveram em circunstâncias iguais às minhas (ou as minhas às deles...) para perceber que o drama humano é sempre o mesmo: mudam os actores, mas a peça é sempre a mesma...

Gray disse...

Indeed it is a beautiful poem, Ric. Thank you for sharing it.

Having simply lit on fire a very small branch of a Christmas tree and having felt its scorching heat, I would *never* put candles on a tree for decoration (unless I wanted to be homeless)!

How on earth did people manage to have candles for decorations in the old days? Very, very carefully I'm sure!

RIC disse...

I'm really glad, Gray, you managed to understand it. As a matter of fact, it is rather simple. That why it's all the more beautiful...
I don't usually «display fireworks» as far as Portuguese people or events are concerned, but Fernando Pessoa is an exception: I'm not afraid to say he is one of the best world poets of the 20.th century!
And I know as well you can find a large part of his work in English: there are excellent translations!
As to candles up on trees, they had to be very careful in those days... On the other hand, huge and terrible winter fires were unfortunately much more common. Until the 19.th century Lisbon suffered a few ones rather devastating...
I love candle light, but I am very, very cautious about it!
Best wishes and hugs!