segunda-feira, 7 de agosto de 2006

Un tout petit badinage avec mon passé à moi...

ax2 + bx2 + c = 0

Matemática é saber. É conhecimento. É cultura.

Quando Gottfried Wilhelm von Leibniz, considerado o último sábio universal do Ocidente, deixara já este mundo e, irremediavelmente, os saberes começavam a compartimentar‑se, é o Génio de Weimar, Johann Wolfgang von Goethe, quem nos avisa que, depois de termos esquecido tudo o que aprendemos, nos resta a cultura.

Ao rememorar aquela equação – facto em si nada relevante e pouco significativo – que entrou no meu mundo há uns decénios, faço aqui profissão de fé nas palavras de Goethe e saliento a importância da Matemática, ontem como hoje, em tudo o que concerne a vida quotidiana, do facto mais comezinho aos mais recentes progressos em todas as áreas do conhecimento.

Apesar do muito que se tem dito, não considero necessário que os meninos nas escolas tenham de «ver» a aplicação prática de tudo o que aprendem em Matemática – um imediatismo e, até certo ponto, um empirismo que pouco contribuirão para o desenvolvimento do pensamento abstracto – grave obstáculo hoje em dia ao sucesso em várias áreas curriculares. Parece que os pedagogos continuam apostados em fazer tábua rasa de tudo o que provenha dos diferentes ramos da psicologia. Atitude de avestruz? Sabia lá eu se aquela equação poderia de algum modo ser necessária ou importante para a construção de uma ponte ou para o estabelecimento de uma ligação telefónica. Era o jogo em si, com as letras e os algarismos que as substituíam, que era atraente. Era o que bastava – o desafio!

Aproveito o ensejo para lavrar o meu protesto contra todos os que teimam em considerar as «gentes de letras» como matematicamente analfabetas. Eu sei que é apenas uma equação (de «cábulas», ainda por cima, como a fórmula química do ácido sulfúrico), e não, por exemplo, uma poderosa e fascinante demonstração de um teorema… Mas, mesmo assim, não deixa de ter o seu valor simbólico e cultural. É esse sentido que prioritariamente me interessa.

6 comentários:

Minge disse...

I so wish I could speak your delicious language.

RIC disse...

Thank you very much, Minge! There are many more posts though that you can understand and I'd like very much you would read them.

Carioca disse...

Você sabe que existe mesmo esse preconceito das pessoas acharem que quem entende de Línguas não entende de Matemática e vice-versa... Bobagem!
É até bom lembrar a certas pessoas que, às vezes, essas matérias se encontram. Eu lembro que aqui no Brasil tiveram duas questões há uns 5 anos que dividiram professores de Português e de Matemática.
Uma questão dizia: "A subtraído de B é igual a A - B ou B - A?".
Um grupo, formado por professores das duas matérias, disse que era A - B. E outro grupo, também formado por professores das duas matérias, disse que era B - A.
A outra questão dizia: "A subtraído de 5 é igual a 3. Então, o valor de A corresponde a 8 ou corresponde a 2?".
Houve o mesmo tipo de divisão entre os professores que tinha havido antes.
Bom, isso mostra que nem todo professor de Português tem mais competência nem mais inteligência do que um professor de Matemática, nem o contrário. Isso são estereótipos que as pessoas criaram.

RIC disse...

Excelente comentário! Obrigado!
A questão fulcral que aqui em Portugal se está a perder de vista é que a Matemática é uma linguagem. Criada pelo intelecto, ao contrário das línguas naturais que surgiram pela necessidade de comunicação. Ora o problema aqui é que os alunos sabem cada vez menos Português, pelo que têm grandes dificuldades em aprender línguas estrangeiras e, ao mesmo tempo, não entendem a Matemática...
Eu falo por mim: sempre fui muito bom em línguas estrangeiras e tive bons resultados a Matemática. Cheguei a ter sérias dúvidas quanto aos estudos a prosseguir.
Mas, como em tudo, os preconceitos são sempre bem idiotas! Hão-de cair de podres... :-)

Anthony disse...

What a delight it is to read a multilingual blog! I don't understand Portuguese, but thankfully it's close enough to other European languages for me to have a stab at it ...

RIC disse...

That's exactly what I've been saying for such a long time now! Spoken Portuguese may be difficult to understand, even for those who are learning it. But if you easily read other Romanic languages, you won't find Portuguese hard to read either.
Thank you, Tony, so very much for your visit! As you may have got it from «About», this is a blog FOR Europe and BY Europe, and the rest of the world is most welcome.
Best wishes! :-)